A região de Venda Nova recebeu, na manhã desta sexta-feira (20), um sobrevoo com drones para identificar focos do Aedes aegypti em imóveis. O uso da imagem aérea será utilizado pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) para intensificar e otimizar as ações com agentes de endemias nas casas com potencial para criadouro do vetor causador da dengue. 

Além do uso de drone, funcionários da PBH também visitaram imóveis que foram monitorados pelas imagens com possíveis focos do mosquito. De acordo com Fabiano Pimenta, subsecretário de vigilância em saúde da capital, o uso dos drones vai agregar ainda mais ao combate da doença na capital. “É preciso buscar incessantemente medidas e estratégias para qualificar e aprimorar o trabalho dos agentes, dos mutirões de limpeza, nas ações educativas”, explicou. 

Os drones serão utilizados pela Prodabel, em parceria com a Secretaria de Saúde. “Nós temos um monitoramento de ovos do Aedes aegypti na cidade, por meio das ovitrampas, e analisamos esses dados continuamente e verificamos que, em determinados locais, mesmo em período de seca, temos a infestação continuada do Aedes. Ou seja, tem alguma coisa que o agente não está conseguindo identificar na sua rotina que precisamos localizar para tentar eliminar esses criadouros”, observou o subsecretário. 

Gerente de Cadastro Territorial Multifinalitário da Prodabel, Ângelo Rizzo Neto disse que já foram realizados sobrevoos nas regionais Venda Nova, Noroeste, Pampulha. Os drones da PBH, explicou o gerente, filmam em um raio de 4km e possuem autorização da Anac e do Departamento de Controle de Espaço Aéreo. “A partir de áreas identificada pela Secretaria de Saúde, a gente faz uma ampliação, define data, horário, solicita o voo e esse voo é realizado. As fotografias que a gente gera são processadas com georreferenciamento para trabalho dos agentes de endemias”, explicou.

A aposentada Helenir Silva da Costa, de 77 anos, recebeu a visita dos agentes da PBH após o drone sobrevoar a casa dela no bairro Jardim Leblon. De acordo com a equipe de zoonozes da prefeitura na casa da prefeitura não havia nenhuma irregularidade. Contudo, no fundo da piscina do imóvel havia presença de lodo, o que resultou em uma visita ao imóvel. "Eu fiquei preocupada quando me avisaram que tinham alguma coisa no quintal, porque a gente é muito cuidadoso. Meu filho ta sempre limpando a piscina, eu tenho uma pessoa para cuidar das minhas plantas", assinalou. 

Força-tarefa 

Nesta semana o Hoje em Dia noticiou que as autoridades de Belo Horizonte, mas também da Secretaria de Saúde de Minas Gerais preparam uma série de ações para conter a infestação do Aedes aegypti. Entre as ações estão a criação de um aplicativo para monitorar os principais focos de criadouros do mosquito e a modificação em laboratório do Aedes com a bactéria wolbachia para conter os danos do vírus a quem for picado pelo inseto

Neste ano, a epidemia de dengue que se abateu sobre Minas Gerais, com mais de 470 mil casos, colocou o estado na liderança do número de registros do país.

Leia mais:
Aedes aegypti modificados serão soltos em Venda Nova
Sem alívio, Minas se arma contra novo ciclo da dengue