Lugar de veterinário também é no frigorífico, em granja, supermercado e indústria de laticínios. Além de cuidar da saúde dos bichos em clínicas, o profissional tem a tarefa de garantir a qualidade dos produtos de origem animal que chegam à mesa do consumidor, detectando eventuais irregularidades nos processos de produção, transporte e armazenamento.

Responsável por receber e fazer com que os peixes e frutos do mar comercializados estejam dentro dos padrões sanitários e de consumo, Rafael Rodrigues, de 31 anos, trabalha em uma indústria de pescado, no Barreiro, em Belo Horizonte, e assume papel importante.

“São muitos os detalhes que passam despercebidos aos olhos do cliente, mas existem critérios que precisam ser alcançados”, afirma o veterinário, que fiscaliza da higiene do veículo de transporte e dos entregadores aos aspectos que garantem o frescor do alimento. “Como odor, textura e cor”, acrescenta o profissional, que há quatro anos atua no setor.

O padrão de qualidade em produtos de origem animal é tão importante que, além da atuação no comércio, a vistoria deve ser constante nos locais de criação e de manipulação dos alimentos, conforme reforça o presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV-MG), Bruno Rocha.

Segundo ele, além dessas inspeções, a profissão tem outras áreas a serem exploradas. “É possível se especializar na reprodução das espécies, no manejo de rebanho e produção de ração e, ainda, na produção de vacinas e no controle de zoonoses, em campanhas e atuação direta em instituições de saúde pública”. A média salarial é de R$ 4 mil.

Ensino

Recentemente, BH passou a contar com uma nova graduação em veterinária. O curso foi implantado há um ano no Prado, na região Oeste, pelas Faculdades Kennedy. “Com disciplinas que proporcionam uma formação técnica sólida, temos uma matriz curricular moderna e com plena aplicabilidade no mercado de trabalho”, ressalta a coordenadora Fabrízia Lima.

Em dez semestres, os alunos são submetidos a cerca de 60 disciplinas, além de estágios obrigatórios. “Nos dois primeiros anos aprendem sobre o animal e a saúde de uma forma geral. A partir daí, são aprofundadas as especificidades da profissão, com conteúdo sobre clínica médica, reprodução, zoonoses e produção de alimento”, explica.

Leia Mais:

Clínicas, consultorias e estética são opções para o profissional de enfermagem

Falta de profissional de TI deixa 25 mil vagas abertas no mercado de trabalho