Realizada entre as 17h de sábado (20) e 20h de domingo (21), a Virada Cultural de Belo Horizonte recebeu aproximadamente 520 mil pessoas, de acordo com estimativa da Prefeitura de Belo Horizonte. O evento, que não era realizado desde 2016, recebeu mais de 440 atrações em 25 espaços, especialmente no hipercentro da capital mineira.

Mesmo com tantas pessoas transitando pelas ruas da cidade, o número de ocorrências policiais foi baixo. Segundo a Guarda Municipal, ao todo foram 24 ocorrências registradas, sendo 67% relacionadas à segurança pública e mobilidade. Entre a noite de sábado e a madrugada de domingo, a Polícia Militar levantou 42 casos de furto.

Para que o público pudesse assistir aos shows e transitar com segurança pelas ruas do hipercentro da cidade, o Centro Integrado de Operações de Belo Horizonte (COP-BH) realizou o monitoramento em tempo real da cidade, coordenando a atuação operacional dos órgãos envolvidos na realização do evento, com foco na segurança, mobilidade urbana, atendimento de urgência em saúde, serviços urbanos, ordem pública e proteção social.

Para implementar um perímetro de fechamentos e bloqueios em ruas e avenidas da região central de Belo Horizonte e permitir, ao mesmo tempo, uma mobilidade de moradores, a BHTrans atuou com um efetivo de 80 agentes e 22 viaturas.

Já a SLU promoveu a limpeza com 150 garis. Foram utilizados cerca de 100 mil litros de água para lavar as vias públicas. Um total de 43 toneladas de lixo e 2 toneladas de vidro foram recolhidos.

Empregos

De acordo com balanço apresentado pela administração municipal, cerca de 3.100 artistas participaram do evento, além de mais de 2.400 profissionais que atuaram na produção e operação. Foram investidos mais de R$ 2,5 milhões na realização da Virada, sendo 92% da Prefeitura e 8% de instituições parceiras.

Leia mais:
Polêmicas, organização, elogios e sujeira nas ruas: balanço da Virada Cultural em BH