O estádio lotado, o grito da torcida, as conquistas, a fama. A vida de um jogador de futebol de um grande clube do Brasil ou do exterior pode ser glamourosa e agitada para quem vê pela televisão ou acompanha pelos jornais.
 
Mas antes de tudo isso, os craques – e aqueles nem tão bons assim – tiveram que lutar muito, desde crianças, em busca do objetivo de ser profissional.
 
A grande maioria das carreiras vitoriosas começa em campos de terra batida, com chuteiras emprestadas e bolas “genéricas”.
 
Esses meninos aprendem desde cedo a superar as dificuldades impostas pelos adversários, pela estrutura, por sua condição social, e muitas outras que não sabem ainda por que enfrentam.
 
Nessa vida, que para muitos está só no começo, aprende-se cedo a alegria das vitórias e a dor das derrotas. E essas não serão poucas. É preciso muita fé para continuar a sonhar.
 
São esses sentimentos e situações que o repórter-fotográfico Lucas Prates mostra em imagens feitas na periferia da capital mineira, mas que poderiam ilustrar a vida de milhões de garotos no país inteiro.
 
“Mesmo depois do fracasso da seleção na Copa do Mundo no Brasil e dos últimos escândalos protagonizados por cartolas, o sonho das crianças em serem jogadores de futebol prevalece intacto”, diz Prates.