O governo de Minas instituiu um Comitê Gestor Pró-Rio Doce, em decorrência da ruptura da barragem de Fundão, da Samarco, em Mariana, na região Central do Estado, em novembro de 2015. O decreto sobre a criação do grupo foi assinado pelo governador Romeu Zema nesta terça-feira (16). A tragédia resultou em 19 mortes e uma grande devastação ambiental ao longo de todo o rio Doce até o litoral do Espírito Santo.  

O comitê tem como objetivo planejar, coordenar e executar as ações no âmbito estadual no município e de suas repercussões na bacia do Rio Doce. A recuperação socioeconômica e socioambiental de Mariana e dos municípios da bacia que foram afetados está entre as ações programadas.

“Após tantos anos, é preciso ter agilidade na tomada de decisões. Por isso, determinei aos representantes do Estado que ouçam os afetados e garantam sua participação. Esse comitê terá esse objetivo: tirar do papel, cobrar e apresentar soluções rápidas de reparação e compensação”, afirmou o governador, que visitou as obras do reassentamento coletivo de Bento Rodrigues, distrito devastado pela lama de rejeitos.

O comitê deverá acompanhar a execução dos programas do Termo de Transação e de Ajustamento de Conduta (TTAC), que tem por signatários União, Estado de Minas Gerais, Estado do Espírito Santo, Samarco Mineração S.A., Vale S.A. e BHP Billiton Brasil Ltda.

O Comitê será coordenado pela Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão, e também será composto pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil, Advocacia-Geral do Estado e Controladoria-Geral do Estado, além das secretarias de Estado de Governo; Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; Agricultura, Pecuária e Abastecimento; Desenvolvimento Econômico; Desenvolvimento Social; Infraestrutura e Mobilidade; Saúde; Cultura e Turismo; Educação; e pela Copasa.

Leia mais:
Parentes de trabalhadores que morreram em Brumadinho irão receber R$ 700 mil de indenização
Depoimentos de terceirizados confirmam vazamento em barragem meses antes de tragédia em Brumadinho
Fiscais e especialistas discutem técnicas de segurança em barragens de rejeitos em BH