A Justiça condenou, na madrugada deste sábado (14), dois dos três acusados de matar o estudante de direito Cristiano Guimarães Nascimento, de 22 anos, na porta de uma boate em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

O crime ocorreu na madrugada de 8 de abril de 2016, em frente a uma boate  no bairro Santa Cruz, em Contagem. A vítima foi espancada após reclamar que um trio de policiais furou a fila de pagamento na boate. De acordo com o Ministério Público, eles deram socos, chutes e golpes contra o jovem. 

O relatório de necropsia apontou que ele morreu em decorrência de traumatismo na região da nuca e do pescoço.

Segundo o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), Jonas Martins foi condenado a 12 anos de prisão. O juiz Elexander Camargos Diniz negou a ele o direito de recorrer da condenação em liberdade e ele permanece preso.

Jonathas do Carmo foi condenado a 5 anos, porque teve o crime de homicídio doloso desclassificado para lesão corporal seguida de morte. Mas, como o réu já está preso há 3 anos e 5 meses, o juiz concedeu a progressão da pena e ele vai cumprir o restante em regime aberto.

O terceiro acusado, Célio Gomes, que está foragido e foi representado pelo advogado, foi absolvido. O juiz determinou o recolhimento do mandado de prisão que estava em aberto.

*Com TJMG