Dois ônibus foram incendiados na noite desta sexta-feira (9) na avenida Carlos Luz, em frente ao shopping Del Rey, em Belo Horizonte. Segundo moradores da Vila Sumaré, o crime foi uma resposta ao assassinato do jovem Marcos Vinícius Bambirra, de 22 anos, que teria sido alvejado por policiais com dois tiros nas costas na noite desta quinta-feira (8). 

O corpo de Marcos está velado neste momento na associação da vila. "O que aconteceu foi uma covardia. Tem que queimar é muito mais", protestou a salgadeira Arlete de Jesus, de 45 anos. 

Segundo o Flávio Henrique de Morais, irmão da vítima, o jovem morava na Vila Sumaré porque a esposa e a filha sempre residiram no local. "Ele não tinha arma, não era traficante e jamais teria confrontado a polícia. Foi morto de forma cruel e injusta". 

Outro lado

A versão da PM diverge do que afirma a comunidade. O tenente-coronel Flávio Godinho, 34º Batalhão da PM afirma houve troca de tiros entre o jovem e os militares.  "Ele vinha de moto na contramão e ao ser abordado fez um único disparo de revólver 38. Os policiais revidaram e, ao perceberem que ele havia sido atingido, prestaram socorro imediatamente", explica. 

O tenente admite, no entanto, que Marcos não tinham passagem pela polícia.

Medo

Além dos ônibus, os manifestantes atearam fogo em pneus e fecharam o tráfego próximo ao Shopping Del Rey. O trânsito ficou caótico na região e gerou medo em moradores e frequentadores do centro comercial, que chegaram a ouvir tiros.

A estudante Karina Mendes estava no local e disse que a PM impediu as pessoas de deixar o shopping. Ninguém ficou ferido.

Durante a interdição do trânsito, a PM fez desvios pelo Anel Rodoviário e por dentro do bairro Caiçara. Viaturas do Corpo de Bombeiros foram acionadas e conseguiram controlar as chamas.