ligações clandestinas

Água roubada em ‘gatos’ abasteceria metade de BH por 30 dias

Lucas Sanches
@sanches_07
22/03/2022 às 07:35.
Atualizado em 22/03/2022 às 10:30

Nada menos do que 3 bilhões de litros de água são desviados mensalmente por meio de ligações clandestinas em Minas. O volume é suficiente para abastecer metade das residências de Belo Horizonte, segundo estimativa da Copasa. São cerca de 300 mil “gatos”, que vão desde alterações do hidrômetro a desvios na rede. O crime pode render oito anos de cadeia.

Atualmente, Minas tem cerca de 4,5 milhões de ligações de água. As fraudes representam 7%. Em um cenário recente de crise hídrica, com moradores desabastecidos devido ao rompimento de uma adutora, o assunto ganha ainda mais força nesta terça-feira (22), Dia Mundial da Água.

“Parte das ligações irregulares está em área formal, onde a Copasa acredita que os proprietários poderiam arcar com a conta. Para eles, tratamos como caso de polícia. Mas em regiões de vulnerabilidade social, o foco é a conscientização, já que muitos, de fato, não conseguem pagar”, afirma o gerente da unidade de serviço de hidrometria da empresa, Valter Lucas Júnior.

"Quando vemos ruas lotadas de 'gatos', moradores do mesmo bairro são prejudicados, especialmente em regiões mais altas. O desvio impede que todos recebam água corretamente, e quando chega a conta do prejuízo, ele é dividido entre a população, mesmo os que estão sempre em dia", diz o gerente da unidade de serviço de hidrometria da Copasa, Valter Lucas Júnior.

Na tentativa de regularizar o abastecimento, a empresa faz  ações de correção e conscientização. Dentre elas, o projeto Engajar, que conta com a participação mulheres com mais de 45 anos das regiões a serem fiscalizadas  para  facilitar o contato  com a população.

Nesta segunda-feira (21), a reportagem do Hoje em Dia acompanhou parte dessa ação no bairro Palmares, em Ibirité, na Grande BH. Lucimar Rodrigues, de 44 anos, é uma das mulheres contratadas. Ela conta que a medida trouxe benefícios.

“Desde o cadastramento, atualização do padrão e correção de irregularidades, as pessoas gostam porque trazemos uma condição que congela a dívida, regulariza o fornecimento e garante a água para quem nem sempre tem acesso fácil”.

Um exemplo é o pedreiro Washington da Silva, de 55 anos. A conta estava apenas no nome da mãe dele, mas todos os filhos faziam usos separados da água, sem falar na dívida da família. Com a regularização do cadastro, a sensação foi de alívio.

"Ninguém vive sem água. Se corta a água da casa, a família no outro dia pode ir lá e fazer um 'gato'. Nosso objetivo parte da educação, ainda mais falando de pessoas em vulnerabilidade social. Em dois meses de ação, foram mais de 1,2 mil imóveis visitados, com 88% de adesão às medidas corretas, sejam quais forem", acrescenta Valter Lucas Júnior

“Agora, cada um dos irmãos tem seu padrão, e ficamos mais tranquilos com a dívida congelada”, afirmou.

A expectativa da Copasa é de uma adesão de 90% das famílias com irregularidades no abastecimento até 2023.

Punição
O furto de água é crime previsto no Código Penal. Além dos oito anos de prisão, quem comete a infração  têm corte imediato do fornecimento.

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por