Conselho de Farmácia lança campanha sobre os perigos da automedicação na Rodoviária de BH

Cinthya Oliveira
30/04/2019 às 18:19.
Atualizado em 05/09/2021 às 18:27
 (Divulgação)

(Divulgação)

Para alertar a população sobre os perigos do uso incorreto de medicamentos, o Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais (CRF/MG) vai lançar uma campanha sobre mitos e verdades a respeito do uso, controle, armazenamento e descarte dos mesmos. O lançamento acontece nesta sexta-feira (3), das 8h às 17h, na Rodoviária de Belo Horizonte.

Durante a programação, farmacêuticos e estudantes de farmácia vão oferecer orientações à população, além de realizar testes para aferição de pressão arterial, glicemia capilar, classificação do índice de massa corporal (IMC), peso, altura, dentre outros.

A programação faz parte das ações do Dia Nacional pelo Uso Racional de Medicamentos, celebrado neste domingo (5). Outras 16 cidades do Estado também sediarão a campanha durante o mês de maio.

Perigo na automedicação

Segundo pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha para o Conselho Federal de Farmácia (CFF), das pessoas que tomaram algum medicamento nos últimos seis meses, 47% fizeram isso sem prescrição médica pelo menos uma vez por mês, sendo que, em um quarto destes casos, amigos, vizinhos e parentes foram os principais influenciadores na hora da decisão.

Dentre os 77% que confessaram que se automedicam, 25% fazem isso todos os dias ou pelo menos uma vez por semana, 22% uma vez ao mês e 30% menos de uma vez a cada 30 dias. Foi detectada ainda pelo estudo uma modalidade diferente de automedicação, quando, após passar pelo profissional da saúde e ter a receita, a pessoa usa o medicamento de forma diferente da orientada. Esta forma foi utilizada por 57% dos entrevistados, sendo que a principal alteração foi a redução da dose (37%), sob a alegação de que o medicamento fez mal ou a doença já estava controlada.

A automedicação, além de poder fazer mal para quem pratica, também pode se tornar um problema de saúde pública. A pesquisa da CFF indicou que os antibióticos são responsáveis por 42% do total usado sem receita, ficando atrás somente dos analgésicos e antitérmicos, que juntos somam 50%. O problema é que, quando utilizado de forma errada, o antibiótico pode fortalecer uma determinada bactéria, tornando cada vez mais difícil combater infecções.

(Com José Vítor Camilo)

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por