Barragem

Em dia que completam três anos fora de casa, moradores de Itatiaiuçu protestam contra mineradora

Bernardo Estillac
bernardo.leal@hojeeemdia.com.br
08/02/2022 às 15:45.
Atualizado em 08/02/2022 às 15:47
 (Foto: Comunicação MAB/ Divulgação)

(Foto: Comunicação MAB/ Divulgação)

Moradores de Itatiaiuçu, Região Metropolitana de Belo Horizonte, protestaram em frente à mina Serra Azul na manhã desta terça-feira (8). Cerca de 250 manifestantes cobram da ArcelorMittal, responsável pela exploração no local, o cumprimento de um acordo assinado com famílias que precisaram ser retiradas de casa por risco de rompimento da barragem de rejeitos da instalação há três anos.

De acordo com o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), organizador do protesto, os moradores cobram a continuidade do auxílio às famílias que precisaram deixar suas casas por mais um ano, ao menos. Ressarcimento por danos morais também estão na pauta dos manifestantes.

O grupo também pede que a ArcelorMittal assuma o compromisso de promover treinamentos de segurança e uso de rotas de fuga para moradores dos arredores da mina Serra Azul.

Morador de Itatiaiuçu, Márcio Piedade afirma que o protesto não tem hora para acabar. Segundo ele, os atingidos pela evacuação da região da mina esperam uma resposta da mineradora ainda nesta terça, dia que marca os três anos do acionamento do Plano de Ação de Emergência para Barragens de Mineração (PAEBM), que retirou as famílias do local.

“São três anos e não tivemos nenhuma reparação. Hoje estamos aqui para cobrar uma resposta da Arcelor e não vamos sair sem a resposta. A gente veio pra ficar, vai ser agora durante o dia, à noite e até amanhã, se for possível. A gente quer que essa reparação saia até agosto deste ano”, afirma.

A ArcelorMittal acionou o PAEBM há três anos, quando percebeu risco de rompimento da barragem de rejeitos da mina Serra Azul. O plano previa a evacuação da área que poderia ser atingida pelo material da estrutura.

Em nota, a empresa informou que está empenhada em mitigar os impactos causados pelo acionamento do PAEBM e que promoveu inúmeras ações como o aluguel de casas, pagamentos às famílias e antecipações de indenizações.

A mineradora afirma estar avançando no processo de indenização individual das famílias e que está em constante diálogo com as partes. A ArcelorMittal também disse que o tempo das negociações é influenciado pelo ritmo de apresentação dos documentos e calendário construído pela assessoria técnica.

  

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por