Prótese de garoto que teve a perna amputada custa R$ 40 mil; sonho agora é ser atleta paralímpico

Bruno Inácio
24/07/2019 às 16:34.
Atualizado em 05/09/2021 às 19:41
 ( Arquivo Pessoal / Bruno Inácio / Montagem)

( Arquivo Pessoal / Bruno Inácio / Montagem)

A família de Gabriel Lucas Alves, de 15 anos, que perdeu a perna esquerda após ser atingido por uma linha chilena enquanto andava na rua em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, vai ter que fazer uma campanha para conseguir a prótese que o garoto precisa.  O equipamento ideal para que ele possa voltar a jogar bola, seu sonho de infância, custa mais de R$ 40 mil.

A cirurgia de amputação do membro terminou por volta das 13h30 desta quarta-feira (24). A amputação foi necessária devido aos riscos à saúde do garoto, que está internado desde sábado (20).

Alves teve a perna cortada em cima do joelho pela linha, que estava caída no chão, mas se enrolou na roda de um veículo que passou na rua. O corte foi profundo e feriu veias, nervos e chegou próximo ao fêmur. Por isso, segundo o cirurgião cardiovascular Fernando de Assis Figueiredo Júnior, não houve outra opção.

"Depois de ele ser atendido e ter o quadro hemorrágico estancado, foi feito o tratamento cirúrgico de lesões e na madrugada (de domingo) ele evoluiu para síndrome compartimental, voltando ao CTI, onde acompanhamos e, hoje, já com necrose parcial de compartimentos, optamos pelo procedimento", explicou.

Segundo Júnior, o quadro do garoto chegou a um ponto em que, mesmo mantendo a perna, ela perderia sensibilidade e movimentos.

Veja o quanto a linha chilena é cortante em demonstração feita pela Guarda Municipal de Betim pic.twitter.com/6ntbQZreB8— Jornal Hoje em Dia (@jornalhojeemdia) 24 de julho de 2019


Durante o atendimento, o médico se emocionou com o espírito de recuperação do garoto, que agora quer ser atleta paralímpico.
"O caso do Gabriel é um caso peculiar. Apaixonado com futebol, ele chorou e a primeira coisa que ele falou foi 'eu nunca mais vou poder jogar bola?'. A gente que é pai fica muito sensibilizado. E me surpreendou que logo em seguida, após eu falar com ele que com a perna ele não jogaria, mas com a prótese sim, ele já riu, já brincou e já se dispôs para a cirurgia", relatou Júnior.

Feliz

Como a cirurgia aconteceu sem intercorrências, o cirurgião acredita que o rapaz receba alta em até uma semana. A família do garoto, que tem passado os dias e noites no Hospital Regional de Betim, está cheia de expectativa, e resignada com a situação.
A mãe de Alves, a comerciante Regina Alves Lopes do Nascimento, diz que, após o susto de quase perder um dos seis filhos, resta a alegria de poder tê-lo com vida.Bruno Inácio / N/A

Equipe médica do Hospital Regional de Betim

"Em conjunto com o Gabriel e com a equipe medica nós tomamos essa decisão (pela amputação), que vai garantir a vida dele conosco. Ele vai continuar, pode ainda ser um atleta. De primeiro momento pra nós não foi fácil, e a gente como mãe, pai, está com o coração arrebentado, mas a gente tem fé que tudo vai dar certo", contou.

Contudo, para continuar sendo jogador, o menino ainda vai precisar de mais ajuda. É que, de acordo com a equipe médica, a prótese oferecida pelo SUS não dará a mobilidade necessária para a prática esportiva. O custo, em torno de R$ 40 mil, é inviável para a família, e agora os parentes estudam fazer uma campanha para conseguir o equipamento.

"Nesse primeiro momento pra nós seria impossível (comprar), pois com certeza não está dentro do nosso padrão", relatou a mãe.

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por