MPF vai processar mineradoras, estados e União por tragédia em Mariana

Da Redação
portal@hojeemdia.com.br
03/05/2016 às 12:36.
Atualizado em 16/11/2021 às 03:15
 (Corpo de Bombeiros/Divulgação)

(Corpo de Bombeiros/Divulgação)

As mineradoras Samarco, Vale e BHP Billiton serão alvos de novas ações na Justiça. O Ministério Público Federal (MPF) informou que irá processar as empresas pela tragédia ocorrida no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, região Central de Minas. No desastre, 19 pessoas morreram.

Além das empresas, o MPF irá mover ações contra a União e os estados de Minas Gerais e Espírito Santos. Os detalhes do caso serão repassados pelos procuradores José Adércio Leite Sampaio, Eduardo Aguiar, Jorge Munhoz e Eduardo Santos de Oliveira, durante coletiva na tarde desta terça-feira (3).

Leia mais:

O MPF adiantou que a força-tarefa que há seis meses investiga o desastre socioambiental provocado pelo rompimento da Barragem Fundão resultou em uma ação civil de 352 páginas. No total, o órgão apresenta mais de 200 pedidos para reparação integral dos danos sociais, econômicos e ambientais causados pelo rompimento da barragem.

Tragédia

A barragem Fundão, da Samarco, se rompeu no dia 5 de novembro de 2015. O vazamento provocou uma "tsunami" de rejeitos de minério, devastou vilarejos, matou 19 pessoas. O colapso da barragem gerou uma onda de lama que percorreu 55 km do Rio Gualaxo do Norte até atingir o Rio do Carmo, no qual percorreu mais 22 km, e chegar ao Rio Doce, no qual viajou mais algumas centenas de quilômetros até chegar ao mar, 16 dias depois, no norte do Espírito Santo.

No total, segundo o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), 663 km de rios foram diretamente impactados. No trajeto, aproximadamente 40 bilhões de litros de rejeitos de minério matou várias espécies de peixes.

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por