As desvantagens de ser um cara legal

Aqui é Galo! / 28/11/2015 - 06h33

Aquela história de ser amigo após a separação nunca convenceu. Rola sempre um ciúme, um desconforto, como se lhe tomassem algo que é seu, quando vemos a ex nos braços de outro.

Também queria ser um “cara legal” quando decidimos que não iríamos dividir o mesmo edredom, mas ela nunca vai deixar de lembrar dos roncos e do meião sujo no banheiro após as peladas de terça.

Claro que “cara legal” é melhor do que corno ou qualquer outro xingamento oriundo dessas relações encerradas de forma tempestuosa. Mas ainda fica parecendo que se está escondendo algo.

O ano de Levir Culpi no Galo foi legal... Brincamos de sonhar com o título do Campeonato Brasileiro, mas na hora H não funcionou. E se tem uma coisa que elas abominam é falhar nos momentos decisivos.

Não chegar, no mínimo, emparelhado, com força e vitalidade, já é uma desvantagem imensa. Para todo mundo, o Atlético brochou. Faltou perna, ímpeto, desejo e aquele “algo mais” de um Superman.

É aquele momento em que jogam na sua cara que não está se esforçando para melhorar. Ela quer a novidade, a surpresa, e o máximo que oferecemos é levá-la para o churrasco com os amigos.

Quem já não fez o estilo bom moço, retardando a chegada à área com medo de se expor ao contragolpe? E depois ouvir que daríamos bons amigos? Elas gostam também de emoção, não só do “cara legal”.
Ser amigo antes ou depois é furada. E Levir sabe disso, quando disse que dificilmente voltaria ao CT de Vespasiano. Acham lindo um homem sensível, que chora, mas esses estarão reservados à posição de “ombro amigo”.

Para alguns analistas, o problema de Levir foi ter se acomodado no estilo “japonês”, onde trabalhou antes de vir para o Galo. Segundo uma pesquisa com mulheres estrangeiras no Japão, os homens de olhos puxados se vestem da mesma maneira.

Talvez por isso queiram o estilo espanhol, amante latino, caliente e sexy de Muricy Ramalho, que vem de um estágio no Barcelona. Se aplicar 15% do que o time catalão joga, Muricy será o nosso Antonio Banderas.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários