Transdisciplinaridade e Direito

Direito Hoje / 06/08/2019 - 06h00

Camila Soares Gonçalves

Segundo dados do Conselho Federal da OAB, extraídos em 29 de julho deste ano, existem mais de 1.225.058 advogados no Brasil, sendo que apenas no Estado de Minas Gerais são mais de 127 mil inscritos. Tais dados são atualizados diariamente pelo site da Ordem dos Advogados do Brasil.

Os números exorbitantes decorrem do aumento de cursos de Direito no Brasil, que cresceram 700% em 20 anos, conforme dados do 1º Congresso Internacional de Direito e Tecnologia. A título de comparação, nota-se a existência de 1.406 faculdades de Direito no Brasil, enquanto em todo o restante do mundo existem apenas 1.200.

Ainda a título comparativo, percebem-se mais de 1,2 milhões de advogados para 450 mil médicos, em uma média aproximada de 200 novos profissionais por dia. 

Parece assustador? O mais surpreendente é que, ainda com o número “exagerado” de advogados, existem mais de 81 milhões de processos aguardando julgamento, demonstrando a completa ineficiência do Poder Judiciário.

O que fazer, então, nos dias atuais, para se destacar em um mercado aparentemente saturado?

Para começar, o advogado precisa reconhecer que o perfil do cliente mudou, e isso decorre de uma mudança pela qual a sociedade passou nos últimos anos. Os clientes do passado buscavam um advogado que falasse difícil, usasse palavras incompreensíveis ao público leigo, bem como litigassem ao máximo, pois advogado bom era o que brigava a unhas e dentes pelos seus direitos.

De outro lado, os clientes atuais buscam um advogado que fale a sua língua, que use palavras inteligíveis à linguagem comum, abrindo mão do juridiquês, e que solucione seu problema com o menor tempo, dinheiro e desgaste psicológico possíveis.

Isso decorreu da percepção de que o Poder Judiciário deve apenas ser acionado em última instância, após frustradas tentativas extrajudiciais de solução do conflito. Ocorre que muitos advogados ainda estão presos no passado, propondo ações judiciais sem sequer tentar valer-se das formas consensuais de solução de conflito. 

Existe muito do mesmo.

O advogado do futuro certamente precisa fazer diferente para não cair na massa existente de profissionais da área jurídica. Um dos caminhos para se tornar um profissional de destaque é investir em conhecimento, valendo-se da transdisciplinaridade como aliada.

Transdisciplinaridade é um conceito oriundo da educação, que enxerga o conhecimento de forma ampla e plural, correlacionando as diversas áreas de conhecimento. 

Assim, é possível aliar Direito e Tecnologia, Direito e Economia, Direito e Inteligência Emocional, Direito e Games, Direito e Mapas Mentais, entre diversos campos de conhecimento aparentemente dissociados, mas que, em conjunto, são capazes de aprimorar a atuação do profissional da área jurídica.

Cada vez mais os advogados precisam ser plurais, atuando de forma transdisciplinar, para ir além do conhecimento exclusivo do Direito, buscando soluções em áreas diversas, para atender da melhor forma os interesses do cliente.

Somente assim será possível apresentar soluções inovadoras e disruptivas, aprimorando conhecimentos, aproximando pessoas e saberes, compreendendo os conflitos como decorrentes da própria vida e sendo capazes de encará-los por meio das mais diversas extensões.

E então, está pronto para se tornar um advogado transdisciplinar?

Advogada, especialista em Advocacia Cível e em Direito Tributário

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários