Água para respirar bem

Opinião / 13/05/2016 - 06h00

Rogério Celso Ferreira (*)

Estamos no outono, mas as temperaturas ainda são do verão. A umidade do ar está baixa e o inverno se aproxima. Com ele vêm as doenças respiratórias. De acordo com estimativas dos agentes de saúde, 40% da população mundial sofrem desse mal. Rinite, sinusite, gripe, resfriado, bronquite, asma, além das infecções respiratórias virais são as doenças mais comuns nesse período do ano. 

A melhor maneira de passar o outono/inverno longe desses problemas é a prevenção. Manter ambientes limpos, trocar os lençóis e roupas de cama uma vez por semana; lavar as roupas de inverno, tanto de vestir como de cama, antes de usar; deixar as janelas abertas para ventilar; manter a alimentação saudável e tomar bastante água estão entre os principais cuidados neste período.

Mas, depois de instalados, uma boa forma de remediar esses problemas pode estar em um líquido simples, presente no dia-a-dia de todos: a água. Sim, ela pode ser usada como uma forma de amenizar os sintomas e, em muitos casos, contribuir para a melhora significativa de muitas doenças. Isso por meio da hidroterapia ou fisioterapia aquática.

União das palavras gregas hydro (água) e therapeia (cura), a hidroterapia é uma especialidade da fisioterapia que se baseia nos princípios mecânicos e térmicos da água aquecida de uma piscina terapêutica. Os efeitos da imersão corporal associados aos exercícios fisioterápicos provocam diversos estímulos, ativando o sistema imunológico, melhorando a circulação e diminuindo a sensação dolorosa. A água aquecida faz o corpo vivenciar situações, sensações e estímulos únicos, contribuindo de maneira significativa para a reabilitação motora do ser humano. 

Essa modalidade de tratamento, que se utiliza da água aquecida, exige do fisioterapeuta conhecimentos das propriedades hidrostáticas (água parada), hidrodinâmicas (água em movimento) e termodinâ-micas (troca de calor entre o ambiente e o corpo) da água, bem como da anatomia, fisiologia e biome-cânica corporal.

Estresse mental, irritabilidade e distúrbios do sono também podem ser tratados, minimizados e até sanados por meio da água. O efeito do calor na pele associado a exercícios específicos provoca o relaxamento das fibras musculares e a flutuação leva à sensação de que o corpo está mais leve, solto e flexível. Com isso, o paciente vai melhorando progressivamente, desenvolvendo sua consciência e seu controle corporal, recuperando a autoconfiança e superando traumas. 

No caso dos problemas respiratórios, a hidroterapia é uma grande aliada. A pressão que a água exerce sobre a caixa torácica auxilia nos exercícios para os músculos respiratórios, melhorando a capacidade pulmonar. Além disso, a fisioterapia aquática alia exercícios específicos, que ajudam a corrigir a postura corporal, relaxam e alongam os músculos respiratórios, contribuindo para a melhora da função pulmonar e do bem estar geral do paciente. Tudo isso se refletirá em mais saúde e qualidade de vida!

(*) Fisioterapeuta, especialista em hidroterapia, sócio e diretor clínico da Fisior Hidroterapia.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários