A solução para os congestionamentos vem das formigas

Opinião / 24/10/2020 - 06h00

Mauro Condé*

“Quando a gente acha que tem todas as respostas, vem a vida e muda todas as perguntas” - Fernanda Condé

Acabo de voltar de uma viagem rumo ao conhecimento, usando como meio de transporte excelentes artigos científicos.

Eles me levaram para a redação do jornal americano The New York Times, onde fui recebido pelo editor de ciências James Gorman, a quem fui logo pedindo:
Ensina-me algo que eu ainda não saiba e tenha o poder de mudar a minha vida para melhor.

-Aprenda a evitar congestionamentos e engarrafamentos em todas as áreas da vida observando a eficácia das formigas na construção de túneis.
Gorman demonstra num vídeo como as formigas usam sabiamente a natureza para se auto organizarem, sem chefia ou supervisão, e construírem túneis com o máximo de eficiência e eficácia no menor tempo possível.

Didaticamente ele demonstra que numa população de 100 formigas operárias, apenas 30% delas trabalham de modo ininterrupto, enquanto as outras 70 formigas (70%) ficam bem longe do local do trabalho, descansando, treinando ou simulando melhorias nos processos.

Uma solução inteligentíssima onde as formigas, antes de começarem as atividades de escavação, estudam a capacidade de passagem pelo túnel (a largura máxima que permite a passagem das formigas ao mesmo tempo).

No vídeo de demonstração, as formigas descobrem que pelo túnel (pelo gargalo) passam no máximo 30 formigas de uma vez.
Se elas escalassem as 100 formigas para iniciar o trabalho, quando elas chegassem juntas até a porta do túnel esbarrariam na limitação do tamanho de passagem do mesmo (máximo 30 formigas).

Aí elas criariam um baita congestionamento ou engarrafamento provocado pelo gargalo que reduziria dramaticamente a passagem das formigas para o outro lado do túnel e provocaria uma lentidão inadministrável em todo o trajeto.

Então para eliminar o gargalo, o c<CW-6>ongestionamento ou engarrafamento, elas limitam a 30 o número máximo de formigas trabalhando ao mesmo tempo desde a etapa zero até a última etapa (passagem para o outro lado do túnel) enquanto as outras 70 ficam separadas num regime e num espaço de ociosidade inteligente, reunidas projetando formas de aumentar a passagem do túnel no futuro.

Agindo assim, elas garantem um fluxo contínuo de trabalho, numa velocidade média constante alta e conseguem passar toda a produção necessária.

Conclusão: 30 formigas passam para o outro lado do túnel a produção equivalente ao trabalho de 100 formigas e 100 formigas engarrafadas e congestionadas ao longo do trajeto não passam a produção de 30 formigas.

Eis uma proposta da natureza para eliminar um dos maiores problemas da humanidade.

*Palestrante, Consultor e Fundador do Blog do Maluco.
 

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários