Administrar condomínios requer conhecimento técnico

Opinião / 13/02/2021 - 06h00

Adriano Lucas*
 

O perfil exigido para quem deseja ser síndico mudou drasticamente nos últimos anos. Ser competente, comprometido, entender de administração, finanças, legislação e que saiba lidar com as pessoas tornaram-se itens básicos para a função.

Essa mudança aconteceu devido ao novo modo de viver no Brasil. Nos últimos 20 anos houve um aumento expressivo da procura por moradia em condomínio. Nesse período, com a elevação do poder de compra do brasileiro e o incentivo do Governo Federal, seja com programas habitacionais como o Minha Casa Minha Vida ou facilidade na aprovação do crédito, a classe média se viu empoderada e com a possibilidade de comprar a tão sonhada casa própria - no caso, o apartamento próprio. 

Esse incentivo também influenciou as construtoras, que investem em conjuntos habitacionais maiores e com grandes espaços sociais. Acrescente a tudo isso, os novos modelos de condomínios: office, corporate, múltiplos, clubes, logísticos e os horizontais de casas.

Além dessas transformações, recentemente, também presenciamos uma mudança bastante significativa na forma de morar, influenciada pela pandemia e pelo modelo de trabalho de home office. Se antes as pessoas procuravam apartamentos para alugar no centro da cidade, agora elas querem casas maiores, mais contato com a natureza e uma vida mais simples.

Tendo em vista tais fatos, a gestão condominial, que passa necessariamente pela figura do síndico, precisou se adaptar à inovações. Atualmente, administrar um condomínio se assemelha a gerenciar uma empresa e, sendo assim, é possível aplicar técnicas do mundo corporativo, como governança, compliance e planejamento estratégico. 

A governança condominial busca o melhor cumprimento da convenção, regimento interno e legislação, mas sem deixar de lado a documentação legal, financeira e a transparência. Já o compliance otimiza os recursos e busca a redução de despesas. O planejamento estratégico, por sua vez, traça um plano de ação com os moradores e conselho para atingir as metas durante o mandato.

Também é necessário que o síndico dos tempos atuais busque ler sobre o mercado e se profissionalizar. Por isso, fica claro que o gestor condominial precisa ser um líder, preparado e sempre atento às demandas dos moradores. Para ocupar a função de síndico em um condomínio, não cabe mais aquela pessoa que é simplesmente bem quista por todos, é necessário ter conhecimento técnico, habilidades comunicativas, equilíbrio emocional, autocontrole, segurança e assertividade nas decisões.

*Gerente-geral da PACTO Administradora de Condomínios e Scientist in Customer Experience WCES - USA
 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários