Alerta para o câncer de pele

Opinião / 12/12/2018 - 07h00

Teresa Noviello*

O verão começa em 21 de dezembro. Por ser um mês com datas festivas, férias, altas temperaturas e maior exposição das pessoas ao sol, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) o escolheu para a campanha “dezembro laranja”. A ideia da ação é estimular a prevenção e diagnóstico do câncer de pele. Segundo a SBD, o câncer de pele é o tipo da doença mais incidente no Brasil, com 176 mil novos casos todo ano.

É de extrema importância que as pessoas conheçam o próprio corpo e saibam quais pintas ou sinais possuem, pois, dessa forma, será mais fácil localizar quando uma nova surgir. Quando isso acontecer, o indivíduo deve procurar um dermatologista, que irá analisar a lesão e diagnosticar o que ela representa.

Os cânceres de pele são divididos em três tipos mais comuns: o carcinoma basocelular (CBC), carcinoma espinocelular (CEC) e o melanoma. O CBC costuma surgir nas áreas mais expostas ao sol e pode se caracterizar por uma pápula vermelha, brilhosa, com crosta e que pode sangrar. O CEC, também costuma surgir nas áreas expostas, mas também tem grande incidência em áreas menos visíveis. Esse tipo habitualmente pode ser em tom avermelhado e em forma de feridas mais espessas, que não cicatrizam.

Já o melanoma é o tipo de câncer de pele com maior índice de mortalidade. Geralmente, esse tipo surge como uma pinta ou sinal, muitas vezes com aspecto e formato irregulares, com variações de cor e tamanho e que pode sangrar. 

Em todos os casos, a prevenção será sempre o melhor tratamento. Como os cânceres de pele costumam estar ligados à exposição solar em excesso e sem proteção, o uso do protetor é fundamental independentemente da estação climática. A exposição solar não é 100% perigosa, se tomadas algumas medidas. Como o sol pode nos ajudar na manutenção da vitamina D, ele não deve ser cortado totalmente. Aconselho o uso do protetor solar e opção pela exposição antes das 10h e após às 16h.

Sendo assim, recomendo o protetor solar durante todo o ano, de forma correta, e de acordo com a exposição. O protetor deve ser receitado por um profissional dermatologista, após a avaliação da pele do paciente.

(*) dermatologista , membro da SBD .
 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários