Brasil aberto para negócios

Opinião / 15/12/2018 - 07h00

Carlo Barbieri*

Não é segredo a aproximação ideológica e política entre o presidente eleito no Brasil, Jair Bolsonaro, e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. No final de novembro, os acenos norte-americanos saíram da informalidade virtual e vieram para o plano físico. 

Em visita à casa de Bolsonaro, no Rio de Janeiro, um dos principais conselheiros de Trump, o assessor nacional de segurança, John Bolton, permaneceu mais de uma hora em reunião a portas fechadas. Antes do encontro, Bolton alegou que o Brasil viverá uma nova fase, considerada uma “oportunidade histórica” de aproximação entre os dois países. 

Presenciando um dos momentos mais auspiciosos para a relação entre Brasil e Estados Unidos, em especial na área da economia. Pela primeira vez em décadas encaramos dois países com discernimento sobre o potencial do livre comércio, se houver o devido alinhamento entre os dois governos.

A relação comercial com os EUA já chegou a representar 26% do comércio entre os dois países, ao final do governo do Fernando Henrique Cardoso. 

Atualmente o número está muito menos interessante, representando menos de 10%. Isto foi fruto de um trabalho bem feito, embora destrutivo, por parte dos gestores do Brasil ao longo desses últimos 16 anos, procurando tirar a capacidade exportadora de produtos de valor agregado do Brasil.

O conjunto de medidas dos últimos anos fez com que este comércio, que era muito rico, principalmente por ser então representado em mais de 70% por produtos semielaborados e industrializados, caísse, em sua grande maioria, no presente momento ao comercio de commodities.

De um lado, temos um Brasil que priorizará relações de comércio, tirando do primeiro plano as relações ideológicas hipervalorizadas no governo anterior. E, com esta visão macroeconômica e política, seguramente vamos ter assim um novo fluxo não apenas de abertura comercial, mas principalmente de investimentos.

Por outro lado encontramos os Estados Unidos ávidos em fazer bons investimentos. É o momento de enxergarmos que o Brasil tem uma mão de obra extremamente capacitada, um parque industrial referência e que pode desenvolver ou complementar produtos originários da América. 

Temos ainda os Estados Unidos que, ao longo de muitos anos, sempre viram no Brasil um grande parceiro e tiveram por anos cerceada essa abertura de negócios, mas que já buscam fazer investimentos neste país, que está ao final de uma crise enorme, em uma situação extremamente favorável para novos investimentos.

A expectativa é que iniciemos um novo ciclo de desenvolvimento, onde, finalmente, o Brasil pode colocar melhores produtos, com maior valor agregado e de maneira a que nossa mão de obra, os nossos colaboradores das indústrias, gerem um produto de maior valor agregado e possam receber mais por isso.

O Brasil está necessitado deste parceiro para globalizar empresas, internacionalizar os negócios. Para aqueles que estão buscando desenvolver negócios, estudando as possibilidades de receber ou realizar investimentos, os Estados Unidos, nesta nova fase do Brasil, que começa em 1º de janeiro, serão um parceiro desejoso da possibilidade de fazer negócios ao sul.

Entre os fatores a serem considerados podemos destacar o princípio de que, atualmente, não há país melhor para estabelecer base internacional do que o próprio Estados Unidos, seja em função de sua nova regra tributária, em função do mercado interno de mais de 20 trilhões de dólares ou seja em função de um povo que consome 72% do seu PIB apenas em produtos de consumo.

Por fim, o Brasil tem muito a ganhar, bem como outros países que fizeram acordos bilaterais com os EUA em termos comerciais, como foi o caso do Chile, que está sendo extremamente beneficiado por esta nova formatação. 
Visualizem as possibilidades de negócio entre os dois países, pois este será o futuro.

(*)Com mais de 25 anos de experiência nos Estados Unidos, Carlo Barbiei é presidente do Grupo Oxford, a maior empresa de consultoria brasileira nos EUA. Consultor, jornalista, analista político, palestrante e educador. Membro fundador e primeiro presidente do Brazilian Business Group, membro fundador e presidente do Brazil Club e membro do conselho da Deerfield Chamber of Commerce.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários