Ciência e a universidade como alavancas históricas do desenvolvimento

Opinião / 12/06/2021 - 06h03

Elcio Abdalla*

‘O advento da Universidade de pesquisa foi o grande motor da ciência nos últimos dois séculos em todo o planeta. Permitiu que a renda per capita e a expectativa de vida do habitante da Terra, que foi a mesma durante mais de 1.500 anos, mudasse. Hoje, quase qualquer pessoa vive melhor que Luiz XIV, o Rei Sol, por exemplo. Isso porque o conhecimento científico modernizou técnicas em praticamente todos os setores da atividade humana, como na medicina, na engenharia, na agricultura, entre outros, que enriqueceram a sociedade, as indústrias e permitiram que a população tivesse acesso a melhores produtos, assistência médica e melhores condições de vida.

No Brasil, praticamente toda produção científica brasileira vem delas. A iniciativa privada não tem participação ativa, o que vem se mostrando um grande erro histórico. Nos EUA, por exemplo, grande parte da produção científica vem da iniciativa privada. De grandes companhias, como a Bell Laboratories. Andrew Carnegie, um dos americanos mais ricos da virada do século XIX para o século XX foi um dos maiores filantropos, tendo deixado uma fortuna imensa para Fundações e Universidades.

E é por isso que o investimento do Estado em nossos centros de pesquisa e de produção de cultura é fundamental e estratégico para o desenvolvimento nacional. Em nossa história, o governo brasileiro teve um papel de altos e baixos no apoio à ciência e à universidade. Entre as vitórias importantes, há meio século nasceram o CNPq e a Fapesp, generosos e vitais ao desenvolvimento científico. A FAPESP constitui hoje o maior monumento nacional à ciência paulista, e, direta e indiretamente, à ciência nacional.

No Brasil, os investimentos ao longo da história levaram ao desenvolvimento da medicina, técnicas de agricultura a partir de órgãos como a Embrapa, que permitiram que o país tenha se tornado grande produtor mundial de alimentos. Além da enorme quantidade de engenheiros do país - apesar de ainda haver uma falta destes. Em física e astronomia a universidade também tem dado contribuições enormes, com participação em grandes projetos internacionais.

A Universidade de São Paulo e a Unicamp têm formado um baluarte insubstituível. Mas gostaríamos de ver em toda parte no Brasil esse tipo de empenho. Alguns locais têm lutado bravamente para que isto se faça, com cientistas importantes tentando desbravar regiões brasileiras, e por vezes conseguindo. No entanto, um maior orçamento e uma continuidade temporal são vitais neste sentido: as universidades devem mesmo ser o grande motor da pesquisa, auxiliadas pela iniciativa privada e por órgãos governamentais.

Porém, em diversos momentos, vivemos hiatos no tempo em que a ciência acaba por ser esquecida, o que leva a verdadeiros desastres a médio e longo prazos. O menor investimento nessas instituições tem grandes riscos. A perda de cérebros pode ser fatal. O cientista Michio Kaku há algum tempo falou da mais absoluta e mais consequente medida americana para o desenvolvimento: o visto americano permitindo a entrada de cientistas de altíssimo nível. Claro que estes cientistas vieram de países como o nosso.

Outra consequência do sucateamento das universidades será a impossibilidade de se produzir ciência e tecnologia, medicamentos de alto custo a preços populares e a perda de técnicas de tratamento médico. A falta de uma elite intelectual modificará o futuro do Brasil. E pensar o futuro é a mais importante via de se ter um desenvolvimento sustentado e sustentável, assim como a melhoria do nível de vida de toda a população.

O desenvolvimento de tecnologias nos dá independência econômica e estratégica. Em tempos difíceis como o que vivemos agora ninguém vai nos dar tecnologia gratuitamente: veja-se com o problema das vacinas contra a Covid-19. Apenas para citar uma questão atualmente importante, a produção nacional de imunizantes não só garante proteção da população, mas gera lucros astronômicos, maiores que aumento da produção agrícola.

Como consequência dos investimentos menores em Pesquisa e Inovação no país, que vem decaindo há pelo menos uma década, temos observado o aumento de teorias conspiratórias, a propagação de inverdades, a produção de afirmações inverídicas e falsas, que têm sido nocivas à sociedade, levando à perda de vigor de cérebros de altíssimo valor e à perda da crítica social e do pensamento abstrato, levando a sociedade a um fenecimento rápido e por vezes de difícil reversão.

Sociedades científicas produzem mais, sabem mais, desenvolvem-se melhor, pensam melhor, planejam melhor. A sociedade científica é a sociedade que se faz moderna. Países que não desenvolvem ciência têm lideranças que acham que podem impor suas teorias “no grito”, “no berro”.

De modo geral, olhando à nossa volta, vamos perceber que a imensa maioria dos itens foram desenvolvidos pela ciência, desde plásticos até computadores e celulares. A partir da vacina e outros elementos da ciência moderna passamos a ser mais ricos e mais poderosos, mais sábios e mais tecnológicos.

A Revolução Industrial também trouxe consigo novas perspectivas através do que na física chamamos de termodinâmica. A partir da Universidade moderna, da Universidade de Pesquisa, tivemos uma arrancada em direção à modernidade. A química moderna também veio daí.

Na década d’e 1940, Henry Luce escreveu, na Revista Life, o artigo “O século americano”, em que preconizava o uso extenso da ciência. De fato, os Estados Unidos, através da Ciência, foram para a Lua, chegaram em Marte, produzem vacinas em menos de um ano e são a nação mais poderosa da Terra. Isso não é apenas uma coincidência.

Se quisermos um Brasil pujante, maiúsculo, rico, poderoso, magnânimo para sua população, especialmente a mais pobre, façamos Ciência! Com letra maiúscula!

* Físico teórico brasileiro. Doutor e pós-doutor pela Universidade de São Paulo, onde é atualmente professor titular do Instituto de Física 


Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários