Como sobreviver financeiramente em tempos de crise

Opinião / 06/03/2021 - 06h00

Mauro Condé*

“Ninguém sobrevive a uma dieta vivendo só de alface e gelo; o certo é cortar a gordura onde faz mais sentido” - Valter Police

Acabo de voltar de uma viagem rumo ao conhecimento, usando como meio de transporte excelentes livros sobre Finanças Empresariais.

Eles me levaram para São Paulo, onde fui recebido pelo administrador de empresas Fernando Dias Cabral, a quem fui logo pedindo:

Ensina-me algo que eu ainda não saiba e tenha o poder de mudar a minha vida para melhor.

-Aprenda a administrar a sua vida e a sua empresa e a ter caixa para emergências.
Cabral é autor do livro “Avaliação de Empresas” onde discorre de forma técnica sobre a arte de avaliar, comprar e vender empresas no Brasil.

Da leitura do seu livro sobre finanças empresariais e de uma coletânea de artigos avulsos de diferentes autores brilhantes sobre finanças pessoais, extrai uma compilação de ideias úteis para ajudar a atravessar tempos difíceis em época de pandemia.

Temos mais de 13 milhões de pessoas desempregadas no Brasil e outros tantos milhões trabalhando sob a mira do desemprego a qualquer momento.

São tempos difíceis e incertos e a melhor estratégia para enfrentá-los é ter uma reserva de dinheiro em caixa para emergências, tanto para as empresas quanto para as pessoas.

Em seu livro, Cabral sugere que as empresas reservem uma média de 10% dos seus ativos totais para eventos críticos e inesperados, com margem para mais ou para menos dependendo do setor de atuação das empresas.

Traduzindo seu conceito da necessidade de ter uma reserva de caixa para emergências pessoais, o mais recomendável é primeiro você avaliar a situação do setor onde você atua, se estiver trabalhando, ou trabalhou se estiver momentaneamente desempregado.

Com base no tempo estimado para eventual recolocação, em caso de necessidade, faça um levantamento de todos os seus gastos mensais.

Importante salientar – um levantamento dos seus gastos e não dos seus ganhos, até porque eles podem faltar por um período indefinido.

Imagine, numa escala de 1 a 18, o tempo você que você poderia ficar sem trabalhar e faça desse tempo o multiplicador a ser aplicado em cima do valor dos seus gastos mensais e tenha na ponta da caneta o valor de caixa para reservas de emergência que você precisa ter para não ser pego de surpresa.

E faça uma dieta inteligente das suas finanças, cortando tudo aquilo que se você não gastar, não te fará falta nenhuma.
 

*Palestrante, Consultor e Fundador do Blog do Maluco.

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários