Conheça o intraempreendedorismo

Opinião / 10/01/2018 - 19h47

Egton Pajaro*

Inovação, tecnologias disruptivas e startup. Esses termos são cada vez mais comuns na rotina de grandes empresas. E todos, de alguma maneira, têm ligação com o empreendedorismo. E quando o assunto é o intraempreendedorismo?
O intraempreendedorismo significa empreender dentro da própria empresa. É quando os sócios enxergam que um núcleo específico dentro de sua companhia pode virar um novo projeto, ganhar asas e prover relevante contribuição corporativa, diluindo custos, riscos e ampliando competências. 

O recente desafio a ser incorporado à rotina das corporações
É cada vez maior o número de empresas, especialmente de grandes corporações, focadas em explorar a experiência ambidestra de lidar de forma tradicional com a operação principal e simultaneamente propiciar um ambiente fértil para o jovem empreendedor, orientado a romper paradigmas de forma criativa e as vezes inusitadas. 

A atitude empreendedora deve partir de dentro
Se o intraempreendedorismo significa empreender dentro de uma companhia, o processo seguinte é entender que você precisa de colaboradores que tenham esse espírito. Esses serão responsáveis por desenvolver as novidades que podem ser diversas, tais como: estratégias, tecnologias e até mesmo novas habilidades administrativas que resultem em melhoria de processos.

Usando o faro empreendedor
Com os colaboradores de perfil empreendedor selecionados, agora é o momento de identificar exatamente os projetos que serão alvo de atenção. E para isso, uma boa dica é começar pelas carências da companhia. Se existe um gargalo na entrega de produtos e terceirizar não é uma opção, porque não desenvolver um sistema próprio que faça esse gerenciamento? Cuide para não se expor com conceitos excessivamente teóricos, seja pragmático, crie um modelo de negócio racional, mensurável e integrado à plataforma operacional existente.

O empresário em sintonia
Alguns projetos de intraempreendedorismo podem se voltar para aspectos internos da companhia. Cabe ao empresário instituir mecanismos de remoção ou dispersão das barreiras organizacionais e naturais resistências ao novo. O empresário deve ainda ter a consciência de seu relevante papel na articulação entre a estrutura existente e o colaborador que está nesta área, carente de complementação, especialmente pelos profissionais de novos negócios. São eles que entendem o mercado e as reais necessidades de clientes e prospects. Juntos, eles podem desenhar novas soluções para serem ofertadas.

O ambiente precisa ser adequado
De nada adianta se o ambiente não estiver adequado para este tipo de projeto. Ou seja, mesmo com o colaborador selecionado, o ambiente pode fazer muita diferença no desenvolvimento do trabalho. Ou seja, flexibilidade para o profissional, confiança, autonomia e trabalho remoto devem estar na lista de prioridades para que o projeto possa fluir da melhor maneira.
Com certeza o intraempreendedorismo veio para ficar. E as empresas só têm a ganhar quando apostam em projetos que estimulem os colaboradores a pensarem fora da caixa, elaborando projetos diferentes e que façam sentido para a companhia. Afinal a sua capacidade competitiva pode decorrer destas iniciativas e a institucionalização de nova cultura organizacional pode ser a razão de sua perenidade. 

A revolução em pauta
O intraempreendedorismo requer da empresa e do profissional empreendedor uma visão de médio e longo prazo, pois, além dos erros, incertezas dos resultados e a frustração de aparentes boas ideias, inúmeros obstáculos organizacionais deverão ser transpostos de forma madura e racional. A resiliência é componente preponderante no sucesso do processo de inovação!

*Empresário

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários