Convivência e construção da personalidade

Opinião / 28/12/2018 - 07h00

Ângela Mathylde*


Os pais têm uma importante tarefa na criação dos filhos e a função requer responsabilidade, sendo cercada por dúvidas. O medo não é apenas decorrente dos chamados cuidados básicos, mas principalmente da educação. Sabe-se que a infância tem grande influência na personalidade a ser desenvolvida, sendo necessário cuidar deste processo de construção. 

A personalidade é uma característica do ser humano que organiza os sistemas físicos, fisiológicos, psíquicos e morais para que, interligados, determinem a individualidade.

O indivíduo é formado ao longo do período de crescimento, ou seja, inicia-se na infância, conforme o tratamento recebido e o modo de vida presente nos ambientes frequentados, como o lar e a escola. 
O médico neurologista e criador da psicanálise Sigmund Freud considerava o processo de desenvolvimento da personalidade contínuo, qualificando os primeiros cincos anos de vida como a fase mais importante para a estruturação permanente.

A construção acontece a partir do contato com as outras pessoas, principalmente, com a própria família. Geneticamente, já existe uma pré-disposição a algumas características da personalidade, mas, é justamente no encontro com os outros, que se constrói e se torna realidade. 

Sabe-se que tem início na gestação, quando o pai e a mãe criam uma expectativa em torno da criança. Idealizar a vida do bebê que está para nascer faz parte da história tanto do pai, quanto da mãe.

Os pais carregam sonhos e planos que acabam influenciando na vida do filho e, como consequência, na formação da visão de mundo. Os pais pensam no nome, no sexo da criança, no futuro, em muitas possibilidades e, antes mesmo do nascimento, a criança já ocupa um lugar no mundo.

Em determinados momentos da vida, podem ocorrer variações de personalidade, ou seja, o ser humano pode sofrer diferentes manifestações de caráter. Uma pessoa pode demonstrar insegurança, perturbação, agressividade, ansiedade, neurose e frustração, mas também pode revelar segurança, autocontrole, autoconfiança e sociabilidade. 

As pessoas debilitadas emocionalmente sempre manifestam sentimentos, atitudes e pensamentos negativos, podendo desenvolver transtornos de personalidade. É de extrema importância acompanhar e estimular os primeiros anos de vida.

A formação da personalidade pode ser estimulada com a individualidade dos pais, educadores e outros que permanecerem próximos às crianças por longos períodos. A partir das atitudes características da pessoalidade de cada indivíduo, a criança passa a ser influenciada e, consequentemente, a manifestá-las, demonstrando sua vontade. 

Ás pessoas ligadas à criança cabem a responsabilidade da formação inconsciente do caráter, dos sentimentos, do psicológico, do temperamento e da inteligência.
O segredo é respeitar o tempo de cada um e diferenciar as necessidades individuais da fase de crescimento.

(*) Neurocientista, psicopedagoga e organizadora do livro “Caminhos da Aprendizagem e Inclusão: Entretecendo Múltiplos Saberes”

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários