Estilos de líder: Dissonante e Ressonante

Opinião / 13/06/2019 - 06h00

Nelson Ferreira Filho

Quando funcionários ficam inquietos, desatentos e desmotivados, acabam trabalhando com insegurança e, consequentemente, isso acarreta mal desempenho nas suas atividades de trabalho.

Muitas vezes, acontece quando os líderes criam dissonância, ou seja, não constroem empatia com sua equipe. Não conseguem aplicar e nem tentam corrigir ou acompanhar as emoções e os sentimentos em seus liderados. Daí nasce uma espécie de ansiedade ou aflição, a qual afeta a equipe, transformando-a num ponto alvo de inquietação que repercute na alteração da atenção. 

Dessa forma, cria-se uma força desagradável de fuga por parte da equipe, no sentido de evitar o líder. Esse afastamento conduz os liderados a realizar suas atividades com o mínimo de esforço possível. Fazem apenas o necessário. Trabalham o mínimo para que possam permanecer em suas funções.

Esse comportamento só tende a impactar negativamente a equipe, o que certamente afetará a imagem da empresa.

Afirma Goleman (2018) que a dissonância, em seu sentido musical original, transmite um som desagradável e áspero, tanto em termos humanos quanto musicais. A dissonância é a falta de harmonia. O líder dissonante produz na equipe a discrepância emocional, cujos membros têm a sensação de estar o tempo todo fora de tom.

Os líderes dissonantes possuem estilos: constrangedores, coagedores, irritadores, autoritários, e até mesmo são mal-humorados. O que denota algo doloroso, mesmo sem ter essa intenção. 

Esses líderes têm o poder de influenciar na desmotivação dos liderados, tornando-os emocionalmente com sintomas negativos, estressados, impacientes e amedrontados. 

Por outro lado, se o líder alimenta seu grupo de liderados com energia de otimismo e sempre demonstra fatores de climas agradáveis nas atividades de trabalho, automaticamente, cria-se a liderança de ressonância. 

Nesse sentido, no ambiente corporativo, o líder ressonante, preocupa-se em expandir relacionamentos positivos, inspirar e construir maneiras de apoiar a equipe para conquistar metas de engajamento. Com certeza, isso trará ótimos resultados, que impressionarão o comportamento emocional de seus seguidores.

As lideranças ressonantes são as que transformam o ambiente de trabalho num clima de interação, mobilizando seus liderados para aspectos de eficácia do sistema e de cumprimento de seus objetivos. 

Na realidade, esse estilo de líder é apaixonado pelo que faz. É entusiasta. Aplica sua inspiração e forte energia no grupo de trabalho, ressoando com segurança o tempo todo. Isso cria um sincronismo, ou seja, a equipe e o líder são unidos numa mesma ação.

Devido aos laços dos vínculos emocionais que são estabelecidos, líder e liderados se sentem no mesmo patamar de conforto recíproco. Porque suas ideias podem ser compartilhadas. Há interações e isso facilita a tomada de decisões. Essa conexão construída com solidez conduz o trabalho a ser bem mais agradável e perfeito.

O líder manifesta seus desejos e sentimentos com convicção, produzindo ressonância emocional, que são autênticos e que estão entrelaçados com seus valores pessoais. 

O líder ressonante desenvolve estímulos de influência positiva. Dirige sua equipe de forma mais confiante, transformando as pessoas propensas às novas mudanças e dispostas a se tornarem mais criativas. Assim, há o aumento do foco em suas atividades e, consequentemente, no desempenho no trabalho. Todos ganham com esse tipo de convivência. Melhoram sua qualidade de vida e se tornam mais felizes. 

Administrador, doutor em Engenharia de Produção, com ênfase em Engenharia Cognitiva, coordenador e professor dos cursos de Administração, de Engenharia de Minas e de Produção das Faculdades Kennedy de Belo Horizonte

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários