Expectativas para a vida financeira dos brasileiros em 2021

Opinião / 04/01/2021 - 06h00

Larissa Brioso*
 

O ano de 2020 trouxe inúmeros prejuízos financeiros para grande parte da população. A pesquisa Pnad Contínua do IBGE divulgada em setembro, apontou que 14,1 milhões de brasileiros estavam desempregados. No mês de agosto, o número de inadimplentes atingiu o maior patamar registrado em 10 anos, segundo a CNC. Já em relação às empresas, de acordo com a Pesquisa Pulso Empresa de julho, 1,3 milhão de companhias fecharam (temporária ou definitivamente), sendo que destas, 40% encerraram suas atividades por causa da pandemia. Ou seja, o cenário econômico e a realidade financeira complicada provou que cuidar das finanças pessoais é essencial para contornar situações imprevisíveis em relação ao dinheiro.

Apesar de toda crise, novembro apresentou uma tímida recuperação econômica. Com menos restrições de isolamento, o comércio retomou sua força nas lojas físicas. Ainda segundo dados divulgados pela CNC, o percentual de famílias brasileiras com dívidas caiu 0,5 ponto percentual em relação a outubro, chegando a 66%. Com isso, alcançou o mesmo patamar de fevereiro, antes dos impactos mais severos da pandemia. A taxa Selic mais baixa em novembro também foi fator importante para essa recuperação.

A partir de toda essa análise de como foi 2020, a expectativa para 2021 é que seja um ano onde as pessoas estejam em busca de mais informação sobre educação financeira, focadas em se planejar e montar uma reserva para imprevistos financeiros.

A pesquisa Retratos da Sociedade Brasileira, divulgada pelo IBGE, reforça essa tendência. Segundo o estudo, seis em cada dez brasileiros - cerca de 59% - pretendem poupar mais em 2021 do que faziam antes da pandemia do novo coronavírus. Considerando a população que pretende poupar mais, a principal razão para guardar mais dinheiro, apontada por 54% dos entrevistados, é a vontade de ter recursos para usar em uma possível emergência.

Com o avanço da ciência e a chegada da vacina cada dia mais próxima, também podemos esperar uma boa recuperação. Claro, que para isso, também será necessário contar com a conscientização da população e de políticas públicas que incentivem o crescimento da economia.

Para finalizar, a dica principal para os brasileiros neste ano que será ainda de desafios é controlar as finanças, registrar todos os ganhos e gastos, montar um orçamento e criar objetivos.

*Educadora Financeira da Mobills

 

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários