Gênio carioca mais mineiro do mundo

Opinião / 25/06/2019 - 06h00

Mauro Condé

“Se Deus cantasse, cantaria com a voz do Milton”

Acabo de voltar de uma viagem rumo ao conhecimento, usando como meio de transporte excelentes livros sobre MPB.

Eles me levaram para Juiz de Fora, Minas Gerais, onde fui recebido por Milton Nascimento, a quem fui logo pedindo:

Ensina-me algo que eu ainda não saiba e tenha o poder de mudar a minha vida para melhor.

Inspire-se no exemplo das Marias que iluminam esse mundo.

Milton compôs a música “Maria Maria” para homenagear duas Marias especiais em sua vida:

Uma foi sua mãe, Maria do Nascimento, uma mulher guerreira, empregada doméstica que foi mãe solteira quando estava desempregada e que morreu dois anos depois de seu filho nascer.

E a outra foi a que ele ficou conhecendo através das histórias que contava seu parceiro Fernando Brant.

Essa Maria era uma mulher extremamente forte, que morava sozinha à beira de trilhos de trem em Minas e sustentava três filhos sozinha.

A postura dessas duas Marias em relação à sobrevivência, na situação em que elas viviam, o influenciou muito.

Nunca despreze o talento nato que você descobre que tem quando criança.

Aos 2 anos de idade, Milton já martelava um piano na casa de sua avó.

Aquilo já era um sinal do que ele seria pelo resto da vida.

Viaje como uma forma de terapia, ouvindo o barulho do trem e mirando as montanhas pela janela para estar mais próximo de si mesmo e ouvir melhor os seus pensamentos.

Vá para onde tenha sol, pois lá nem o medo e nem a dor podem te alcançar.

Faça bons amigos e guarde-os debaixo de sete chaves, dentro do coração.

Seja resiliente e se recuse a ser vítima dos fatos da vida.

Pequenino, passou de órfão para filho adotivo e nenhum desses acontecimentos o impediu de vencer na vida.

Ele nasceu predestinado a brilhar com o dom do canto de veludo dos rouxinóis e para transformá-lo em símbolo de amor e otimismo e sinônimo de alegria.

Suas músicas ficam impressas para sempre na memória de quem as ouve.

Viva intensamente cada segundo, pois a vida é uma bela travessia sob um feixe de luz entre dois momentos de escuridão.

Solte sua voz nas estradas e deixe sua marca pelo mundo para que, quando se fizer noite em seu viver e você for embora, você possa ser lembrado até o infinito.

O destino determinou que Milton seria um gênio, carioca de nascimento e com Minas correndo pelas veias e até nas iniciais de seu nome.

Palestrante, Consultor e Fundador do Blog do Maluco

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários