Hábito da leitura deve começar cedo

Opinião / 10/10/2019 - 06h00

Ângela Mathylde

A leitura é um hábito muito incentivado e encorajado nas escolas por um bom motivo: um estudo do jornal Neurology revelou que quem cultiva o hábito de ler quando adulto preserva as habilidades mentais por mais tempo. Além do conhecimento, a leitura proporciona benefícios para a saúde, prevenindo doenças como o Alzheimer. Os aspectos positivos da leitura são comprovados por cientistas e educadores. O Dia Nacional da Leitura é uma data crucial para avaliar que nunca é tarde para estabelecer esse hábito, mas desenvolvê-lo durante a infância é o ideal.

O costume é extremamente importante para o desenvolvimento intelectual infantil e pode ser incentivado pelos pais desde cedo. O estudo “Ler com crianças começando na infância cria um impulso literário duradouro”, da Academia Americana de Pediatras, registrou que ler para os filhos e estimular a relação com livros, desde a primeira infância, gera benefícios para a alfabetização, o desempenho escolar e as habilidades cognitivas. 

O estímulo para ler na infância pode parecer difícil diante de tantos outros atrativos, como os brinquedos e eletrônicos. Atualmente, o celular ocupa grande espaço no cotidiano infantil. A introdução dos livros requer uma boa ideia, como apresentar opções de livros interessantes e adequados para a idade. A própria criança descobrirá suas preferências, com o passar do tempo. Deixar os livros em um lugar acessível e visível também aguça a curiosidade, instigando a criança a pegá-los. A restrição de tempo para acesso aos eletrônicos é essencial para a criança dedicar uma parte do seu dia à leitura.

O esforço é fundamental, porque os benefícios da leitura se estendem ainda mais. Os estudos indicam que a leitura torna as pessoas mais empáticas. Uma pesquisa publicada pela revista Science apontou que o hábito de ler desenvolve a capacidade humana de entender que as outras pessoas têm crenças e desejos diferentes, gerando o sentimento de identificação com personagens e, consequentemente, a empatia aos esforços dos outros. A situação acontece, principalmente, com livros de ficção. Ler ajuda a construir noções de empatia, formando pessoas mais preparadas para lidar com as diferenças.

A leitura ainda é uma grande aliada para expandir o vocabulário, possibilitando o contato com novas palavras e expressões, contribuindo também para melhorar a escrita. O processo deve fazer parte do cotidiano como um hábito, desde cedo, para melhorar o desempenho escolar. A leitura está presente o tempo todo nas escolas, sendo parte crucial no processo de aprendizagem e aquisição de conhecimento, contribuindo diretamente para a formação cultural e social estudantil. A importância da leitura e dos processos de alfabetização será abordada no Congresso Internacional Brain Connection 2019, que acontece em Belo Horizonte, de 21 a 23 de novembro.

Psicopedagoga e neurocientista, organizadora do www.brainconnectionbrasil.com

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários