Infância: contato com a natureza em tempos de tecnologia

Opinião / 12/12/2018 - 07h00

Viviane Anício*

Crianças de gerações mais recentes já são introduzidas precocemente ao mundo virtual, e, muitas vezes, perdem o contato com a natureza, animais e meios urbanos, que são fundamentais para o desenvolvimento humano. Estudos de nível global já constataram que o crescimento tecnológico distancia os indivíduos dos contatos físicos. Sendo assim, uma reflexão acerca desse afastamento leva à necessidade da criação de estímulos, para aumentar as interações nos ambientes de maior convivência da criança, como, por exemplo, a escola.

Oportunizar essa reflexão e desenvolver um potencial colaborativo nessas crianças desde a mais tenra idade significa valorizar nosso poder de transformação social. Preservar a natureza inclui a adoção de critérios que permitam às próximas gerações desfrutar dos mesmos recursos naturais hoje disponíveis. Além disso, garante a possibilidade de mudanças socioambientais ao favorecer discussões a respeito da relação entre espécie humana e meio ambiente.
Especialistas do mundo todo afirmam que as crianças, ao vivenciarem as situações sob uma perspectiva diferente, mais naturalista, serão mais sensíveis e atentas ao que está acontecendo ao redor, pois sentirão de verdade que fazem parte de um mundo que oferece diferentes contextos e diferentes formas de se relacionar com o mundo que as cercam.

O site Story of Stuff (A História das Coisas, em português), é oriundo de um vídeo de 20 minutos produzido por Annie Leonard, em 2007. Ela viajou por 40 países para abordar questões como a produção de lixo vinda de fábricas e o processo dentro de lixões, além de dados que comprovam o quanto consumimos mais do que os recursos disponíveis no planeta. O vídeo, após mais de 40 milhões de visualizações, uniu pessoas com o propósito de conscientizar a humanidade sobre os perigos do uso excessivo e da destruição da natureza.

A sustentabilidade pode ser entendida como a manutenção do equilíbrio ao longo do tempo. Conceitos como equilíbrio ambiental, preservação do meio ambiente e respeito às diferentes formas de vida e de viver estiveram diretamente relacionados aos aspectos sociais, econômicos, ambientais e culturais da nossa sociedade. Essa noção, mesmo que mínima, presente em crianças e adolescentes é importante para que a consciência de dever e contribuição na preservação da natureza parta de pequenas atitudes.

São muitas as famílias que vivem em grandes cidades ou centros urbanos e, muitas vezes, acabam privando suas crianças do imprescindível contato com a natureza, que proporciona um bem fundamental ao desenvolvimento do ser humano como um todo.

Refletir sobre a complexidade ambiental abre uma estimulante oportunidade para a compreensão da importância de um processo educativo articulado e compromissado com a lógica que privilegia ações que impactam no meio ambiente no qual fizemos parte.

É crucial que a natureza faça parte do cotidiano da criança, e que ela possa entender que, de fato, ela pode contribuir e que é responsável, em maior ou menor medida, pela manutenção e equilíbrio do meio ambiente. Essa percepção trará variados benefícios: o respeito a diferentes seres vivos e suas complexidades, a concentração, a curiosidade, sensações, percepções naturais e sem dúvidas uma perspectiva plural, integral, global, indissociável, transdisciplinar e sistêmica da diversidade que a vida oferece.

(*)(*)Viviane Anício, educadora do Colégio Nortear, pedagoga pós-graduada em Educação Infantil, Alfabetização e Letramento, mestranda na linha Formação de Professores

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários