Isolamento social estimula leitura infantil

Opinião / 15/10/2020 - 06h00

Marília Paiva*

A pandemia de Covid-19 avançou pelo Brasil, obrigando grande parte da população ao isolamento social para conter a velocidade de disseminação da doença. A rotina foi modificada, as aulas, suspensas e as crianças em casa sentem falta do ambiente escolar, do contato com os amigos e das atividades ao ar livre. O entretenimento dos pequenos desafia pais e responsáveis. Investir no hábito da leitura como uma atividade extremamente benéfica ao desenvolvimento infantil e, mais ainda, em tempos de pandemia, como uma forma de ocupar o tempo ocioso. 

A diversidade disponível de obras literárias infantis é enorme, desde as fantasiosas até interativas, como brincadeiras e jogos. Quem não possui muitas obras em casa e tem o privilégio do acesso à internet, pode acessar obras temporariamente disponíveis, gratuitamente, em sites de editoras e outras entidades. Um exemplo é a plataforma “Kidsbook”, do Itaú, oferecendo 13, sem necessidade de cadastro. Outro exemplo é a ONG “Mais Diferenças” com livros em formatos acessíveis (audiovisual, libras, daisy e texto) a crianças com diferentes tipos de deficiência. Ao iniciar a leitura, o livro virtual ganha vida com animações e sons, inclui recursos como audiodescrição, chamando a atenção dos pequenos e tornando a leitura acessível e atraente. Os recursos auxiliam na promoção do interesse pelo material, principalmente, entre meninos e meninas que ainda não desenvolveram esse hábito. As plataformas dispõem de títulos com histórias importantes e reais em linguagem apropriada, como “Malala, a menina que queria ir para a escola”, de Adriana Carranca, ou clássicos revisitados, como “O Alienista”, de Machado de Assis.

Quem tem livros guardados ou perdidos pela casa pode oferecer às crianças a experiência única do livro impresso, com peso, cheiro, formato e cores que atraem a humanidade, há tanto tempo. Afinal, muitos podem ter em casa um livro comprado e nunca lido, um presente rejeitado, um livro querido que foi afastado do convívio pela correria do cotidiano.

Desde histórias leves até construções literárias mais complexas e sofisticadas, os livros infantis apresentam muitas escolhas para promover o desenvolvimento literário, cognitivo e interpretativo, afastando os pensamentos de um cotidiano tenso. A prática da leitura ajuda a combater o estresse. Uma pesquisa da Universidade de Sussex revelou que ler por apenas seis minutos reduz em até 68% os níveis de estresse. 

Incentivar a leitura é uma atividade útil no momento, podendo ajudar a desenvolver um hábito também para quando a pandemia cessar. Aproximando os pequenos da prática da leitura literária com afeto é possível proporcionar oportunidade de acessar a arte, a fantasia e imensas possibilidades de reflexão sobre a experiência humana com livros por toda a vida. Em casa, experimentando o livro sem a obrigação escolar, pode-se fazer da leitura um ato divertido e recreativo, mais uma das coisas boas da vida, quando tudo passar.

*Presidenta do Conselho Regional de Biblioteconomia – 6ª Região (MG e ES)

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários