Logística reversa requer parceria

Opinião / 15/01/2020 - 06h00

Thais Fagury

Os fabricantes de embalagens de aço estão avançando na criação de mecanismos para que possam cumprir a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). O principal desafio das indústrias de alimentos, tintas, vernizes, entre outras, é engajar o consumidor, criando programas que permitam que ele descarte de forma correta e com conveniência as embalagens usadas, contribuindo para a logística reversa e a reciclagem dos materiais.

Recentemente, tivemos na Prolata – programa para a reciclagem de latas de aço criado em 2012 – um bom exemplo de como a união de fabricantes de tintas, revendedores de tintas e fabricantes de latas pode acelerar o cumprimento da PNRS. Em 2019, foram inaugurados na Baixada Santista nove novos Pontos de Entrega Voluntária (PEVs) para coleta de latas de tintas pós-consumo. Foi uma iniciativa criada a partir de um grande desafio estabelecido para o setor pelo Ministério Público de São Paulo.

Devido ao alto consumo de tintas na região e diante de poucas alternativas para o correto descarte das latas de aço, o Grupo de Atuação Especial do Meio Ambiente (Gaema), do Ministério Público de São Paulo, solicitou ao setor uma solução de curto prazo.

Em novembro de 2018, a Associação Brasileira de Embalagem de Aço (Abeaço), criadora e coordenadora da Prolata, a Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas (Abrafati) e a Associação dos Revendedores de Tintas do Estado de São Paulo (Artesp) assinaram com o Gaema um Termo de Cooperação Ambiental que previa a instalação de quatro PEVs até novembro de 2020 e outros cinco até novembro de 2021.

A atuação do Gaema, neste caso, acelerou a implementação de PEVs propostos pelo Prolata e engajou o principal interlocutor com o consumidor final, o varejo. A cadeia de valor foi positivamente impactada pela iniciativa e pela excelente exposição em mídia que o tema recebeu.

Acreditamos que é papel do fabricante de latas de aço recebê-las de volta e encaminhá-las para revalorização. Mas o sistema de logística reversa deve ser constituído considerando a responsabilidade compartilhada, envolvendo consumidor, fabricantes de embalagens, fabricantes de produtos envasados, varejo e, por fim, a indústria recicladora.

Presidente executiva da Associação Brasileira de Embalagem de Aço (Abeaço)

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários