O Natal e o mercado

Opinião / 19/12/2018 - 06h00

Aroldo Rodrigues*

O Natal é a data mais importante do ano para o comércio, as empresas reforçam estoques, contratam funcionários adicionais, fazem de tudo para faturar o máximo. Algumas aproveitam dezembro para compensar os meses deficitários. Mas o consumidor também está empolgado para presentear no Natal?

Segundo pesquisa realizada em todas as capitais pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil),a maior parte pretende manter a tradição das compras de Natal. No levantamento 71% dos entrevistados vão comprar entre quatro e cinco presentes e a maioria escolheu familiares e cônjuge para presentar. O valor das compras médio das compras é de R$ 115,90 e o pagamento mais utilizado é à vista no dinheiro. O pagamento à vista, que em princípio parece ser um bom indicador, é na verdade reflexo da crise. Os consumidores ainda estão com restrições de crédito, fazendo com que a única forma de consumir seja pagando a vista.

A maior parte dos entrevistados que não irá comprar presentes no final de ano disse estar cauteloso para o próximo ano, evitando assim gastos supérfluos. Mas esse não é o pensamento da maioria dos consumidores, o consenso é que 2019 será o ano da recuperação e das mudanças na economia. O governo Bolsonaro se elegeu com esse discurso, colocar as contas em dia e a casa em ordem.

O panorama é de otimismo, aos poucos a população está sentindo na pele a retomada da economia, a expectativa de melhora vai se concretizando se transformando na profecia auto-realizável, onde somente o fato de acreditar que as coisas irão melhorar faz com que elas de fato melhorem. 

O comércio sente a melhora, mas com os empresários que converso o clima ainda é de cautela. Poucos voltaram a recontratar aguardando uma melhora mais significativa nas vendas, o que de fato faria com que nossa economia engatasse de vez uma recuperação mais consistente. 

(*)Economista, pós-graduado em consultoria empresarial, palestrante e professor universitário

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários