O que as pessoas falariam no dia do funeral

Opinião / 14/03/2020 - 06h00

Mauro Condé*

“O que eu gostaria que as pessoas falassem sobre mim no dia do meu velório? -Gente ele está se mexendo!” rs Piada de humorista inglês.

Acabo de voltar de uma viagem rumo ao conhecimento, usando como meio de transporte um excelente filme chamado “Segredos de um funeral” que me provocou reflexões motivadoras sobre a forma como vivemos a nossa vida.

Ele me levou para o Tennessee, nos Estados Unidos da década de 30, onde fui recebido por Felix Bush, o protagonista da história do filme, a quem fui logo pedindo:
-Ensina-me algo que eu ainda não saiba e tenha o poder de mudar a minha vida para melhor.

Viva intensamente cada minuto da sua vida.

Lembre-se diariamente que, assim como acontece com todo mundo um dia na vida, em breve nós estaremos mortos e faça dessa forte lembrança a alavanca que pode impulsionar suas decisões de hoje em diante.

Saiba que tudo o que nos mete medo ou nos paralisa – como as expectativas dos outros, o orgulho, o medo de passar vergonha ou de falhar, cai por terra e deixa de ter sentido diante da inevitabilidade da nossa morte.

Não temos nada a perder, portanto siga seu coração, fazendo com que o melhor da sua vida contribua para a melhoria das vidas das outras pessoas.

Segredos de um funeral conta a história de Bush, um velho ermitão, sujeito amargurado e que vive isolado do mundo, por se sentir injustamente rotulado como pessoa ruim por pessoas do seu convívio.

Um dia, durante o velório de um amigo, Bush teve uma ideia inusitada: realizar com a ajuda de dois agentes funerários o seu próprio funeral, só que com ele presente e ainda vivo.

Organizou para isso uma grande festa, com brindes, prêmios e sorteios pomposos que seriam distribuídos com a condição de que as pessoas falassem tudo o que pensavam a seu respeito e de que ao final elas o ouvissem revelar um grande segredo.

Inspire-se na ideia do ermitão do filme e elabore imaginariamente um obituário seu, preenchendo campos como data, causa provável da morte, o número de pessoas que participariam de seu velório e todos os comentários que as pessoas fariam sobre você neste dia final.

Construa esse obituário com o objetivo de retirar de dentro do seu íntimo tudo o que influenciou e determinou o sentido de sua vida até hoje e de planejar tudo o que ainda sonha realizar daqui para frente.

Pense sério nisso: Pelo que você gostaria de ser lembrado?

*Palestrante, Consultor e Fundador do Blog do Maluco

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários