Os desafios encontrados pelas empresas no caminho da sustentabilidade

Opinião / 25/11/2021 - 06h00

Rodrigo Clemente* 

Sustentabilidade é o assunto do momento, está na boca do povo, na imprensa e nos discursos dos mais variados tipos de pessoas. Por conta disso, muitas companhias já começaram a se preocupar com melhores práticas e protocolos de desenvolvimento sustentável. Um estudo realizado pela agência de pesquisa norte-americana Union + Webster e divulgado pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) mostrou que 87% dos brasileiros preferem comprar de empresas sustentáveis e 70% disseram não se importar em pagar um pouco mais por isso. A pressão chega por todos os lados: investidores, consumidores e funcionários, todos alegam preferir empresas que respeitem o meio ambiente.

O maior desafio das companhias em atender essa demanda ainda é a margem de lucro. Apesar dos dados mostrarem que os brasileiros não se importam em pagar um valor a mais para ter um produto ou serviço sustentável, no mundo dos negócios, não é tão simples assim. Em alguns casos, é necessário toda uma estruturação para conseguir suprir esse mercado, com isso, o preço final pode ficar comprometido. Em um país subdesenvolvido, no qual uma grande parte da população vive na extrema pobreza, o preço ainda é um requisito importante de compra. Por conta disso, muitas empresas optam pelo corte de práticas de sustentabilidade.

Apesar de ser considerada uma despesa, ações de sustentabilidade não são mais negociadas com o mercado. Contratar uma especializada para realizar esse serviço, ao invés de construir toda uma estruturação e admitir novos funcionários, é uma maneira economicamente viável de adotar novas práticas sem precisar de grandes movimentações. Além disso, essas empresas trazem uma visão mais estratégica de mercado e contribuem de forma mais efetiva para a estruturação da marca. Terceirizar um processo é o viés escolhido por muitas companhias para reduzir gastos operacionais.

A reciclagem é uma medida que pode ser terceirizada. A indústria cervejeira já utiliza esse recurso para solucionar o problema do descarte irregular e a falta do vidro no mercado. Ou seja, para muitos, adotar práticas sustentáveis pode ser um investimento desnecessário, mas no papel pode ser muito mais rentável para a empresa trabalhar e investir nesse segmento, pois agrega benefícios econômicos e de negócios.

O mundo está se preparando para uma nova era, viver com menos carbono e com gastos de recursos naturais reduzidos. Por esse motivo, a importância de se pensar em uma agenda ESG. Com a evolução do mercado, as organizações precisam começar a se posicionar em relação a causas de sustentabilidade e de cunho social, medidas que já são fundamentais para a captação de investidores e a perpetuidade da empresa.

A ajuda de outra empresa pode ser uma solução viável para companhias que buscam construir uma marca que adote práticas de produção que respeitem o meio ambiente. Encontrar o parceiro ideal para tirar as práticas do papel pode fazer toda a diferença nessa evolução!

*Fundador da BLZ Recicla

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários