Pandemia impacta educação

Opinião / 07/07/2020 - 06h00

Sebastião Alvino Colomarte*

Uma triste realidade: na rede pública de ensino praticamente não houve aulas neste ano. Além da greve dos professores do Estado, a pandemia do Covid-19 obrigou o fechamento, em março, de todas as escolas do país. As famílias com condições de manter seus filhos na rede particular de ensino, pelo menos, têm a ferramenta do ensino à distância que, por bem ou por mal, consegue levar um mínimo de conteúdo aos alunos.

Os reflexos perversos nas vidas desses jovens, com certeza, serão sentidos no futuro, principalmente para aqueles estudantes oriundos de escola pública. Está mais que provada que a educação é um meio eficaz de promover a ascensão social de uma pessoa.

O Ministério da Educação (MEC) faz anualmente numerosos testes para avaliar o aprendizado dos estudantes brasileiros. E os resultados têm sido preocupantes, revelando que o nível de conhecimento tem deixado a desejar, principalmente para aqueles jovens matriculados na rede pública, já que a educação oferecida hoje no Brasil, na maioria das vezes, é de péssima qualidade. Se observarmos países como Chile e, principalmente a Coreia Sul podemos notar exemplos de que investimentos maciços em educação gera bons frutos para o desenvolvimento socioeconômico desses países.

Especialistas defendem a tese de que são necessários investimentos maciços por parte dos governos na educação, seja ele federal, estaduais e municipais. Outra vertente considera que não é só esse o problema, a estrutura desse sistema precisa ser mudada. E esse é o grande desafio.

Segundo dados divulgados pelo Tesouro Nacional, O Brasil destina 6,2% de seu Produto Interno Bruto (PIB) para a na área educação. Vejamos outros exemplos: Reino Unidos, 6,2%; Estados Unidos, 6%; Coreia do Sul, 5,4%; Chile, 4,5%, Alemanha 4,2%; Japão 4%. A média mundial é 4,9%. Nesses dados, fica claro observarmos que um dos graves problemas brasileiros é a ineficiência da destinação correta desses recursos, já que boa parte é consumida pela malversação de verba ou corrupção. 

Defendo que há necessidade de novos critérios para a distribuição eficaz desses recursos. Nesse sentido, a responsabilidade no controle dessa verba deve ser um mantra por parte dos entes públicos – União, estados e municípios. Mudanças na educação precisam ser feitas, já que a educação deve ser tratada como política de Estado e não de governo. 

Tudo leva a crer que este ano está praticamente perdido para a educação. Assim como o governo e demais setores da atividade econômica estão planejando o futuro para vários setores da sociedade, devemos planejar um novo modelo para a educação, já que o mundo não será mais o mesmo pós-pandemia. Caberá às famílias cobrar dos governos para que esses priorizem, além da área da saúde, a da educação.
No pós-pandemia, a educação será um dos alicerces para a retomada do desenvolvimento econômico dos países em escala global e o Brasil não pode ficar de fora desse movimento, sob pena de pagar ainda mais caro no futuro por decisões erradas do passado.

*Professor e diretor-presidente do Centro de Integração Empresa-Escola de Minas Gerais (CIEE/MG)

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários