Para quê servem os antioxidantes?

Opinião / 20/06/2019 - 06h00

Carolina Campos Cabrini

Os antioxidantes andam na moda. São indicados para prevenir o envelhecimento, evitar a formação de tumores e estabelecer o equilíbrio funcional do nosso organismo. Mas como isso funciona? O que eles têm de tão especial, que conseguem atuar em tantos benefícios no nosso organismo? Quem são eles?

Nosso corpo é formado por trilhões de células, que se mantêm juntas por pontes de pares de elétrons. Por alguns motivos, algumas moléculas ficam com elétrons ímpares em sua camada, se tornando altamente instáveis e que são chamadas de radicais livres. Esses radicais livres, com a intenção de voltar a ter o seu par de elétrons, acabam, muitas vezes, se ligando a outras moléculas, que já possuem o seu par específico, atrapalhando assim o desenvolvimento normal do nosso corpo. Essas moléculas, que são capturadas, acabam se tornando também reativas, causando assim uma reação em cadeia e o efeito denominado estresse oxidativo das células. Por isso, os relacionamos com uma capacidade deletéria, onde o seu efeito nocivo acontece principalmente no nosso DNA e na membrana plasmática das células. 

Alguns radicais livres são produzidos por processos naturais do nosso metabolismo, como na respiração. O oxigênio, ao entrar nas mitocôndrias, pode se tornar instável, tornando-se um radical livre. Mas nosso corpo, como uma máquina muito inteligente, possui mecanismos que neutralizam essas moléculas. Contudo, existem muitos fatores ambientais que podem causar o excesso de radicais livres, fazendo com que o nosso corpo não dê conta de neutralizar todas.

A poluição, a fumaça do cigarro, herbicidas, o estresse, a exposição ao sol sem proteção, a falta de sono e uma vida sedentária podem auxiliar nesse excesso, fazendo com que a degradação da membrana das células e do DNA acelere o envelhecimento, a multiplicação de células cancerígenas, inflamações como a artrite e até mesmo problemas cardiovasculares.

Bem, se esses processos destrutivos acontecem por causa de uma oxidação, ou perda de elétron, a antioxidação pode ajudar em algo, certo? A resposta é, sim! Quando falamos que um alimento tem ação antioxidante, estamos dizendo na verdade que ele possui compostos que têm a capacidade de se ligar nesses radicais livres, neutralizando as moléculas reativas e impedindo essa reação em cadeia.

As principais vitaminas que podem conter esses antioxidantes são a vitamina A (óleos de peixes, gema de ovo, espinafre, cenoura e outros), a vitamina E (óleo de girassol, manteiga de amendoim, abacate e outros) e a vitamina C (laranja, limão, manga, abacaxi e outros). Além disso, compostos como a clorofilina, os flavonoides, carotenoides, curcumina (cúrcuma) e minerais como o selênio estão também entre os principais elementos que causam esse benefício. E você, qual deles já ingeriu hoje?

Professora da área de Saúde das Faculdades Kennedy e Promove, atuando nos cursos de Nutrição e Enfermagem. Graduada em Engenharia de Alimentos pela Universidade Federal de Minas Gerais, com mestrado em Tecnologia de Alimentos e Segurança alimentar também pela Universidade Federal de Minas Gerais

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários