Para que o barato não saia caro

Opinião / 23/12/2014 - 07h39

Alexandre Fadel - Advogado imobiliário e corretor de imóveis


O verão chegou e, com ele, o aumento das viagens de férias. Uma forma de economizar está nos aluguéis para temporada. A modalidade não é realizada apenas durante esse período, pois também é muito procurada para a prática de lazer, realização de cursos e tratamento de saúde, entre outros fatores.

Entretanto, antes de fechar o negócio é necessário que o locatário tome alguns cuidados para não ser surpreendido negativamente.

A locação de um imóvel possui vantagens, já que os aluguéis de temporada podem sair até 40% mais baratos que a hospedagem em hotéis. Contudo, não são raros os casos em que o inquilino chega ao local alugado e se depara com um imóvel diferente do anunciado e, muitas vezes, em condições precárias de conservação.

Antes de fechar negócio, é fundamental obter informações básicas sobre o imóvel, como o estado de conservação. E, se for possível, obter referências de quem já o alugou em outros períodos, fotos, lista com mobiliário e itens que compõem o local, etc. As informações ajudam na hora de fechar o contrato com mais segurança e transparência, evitando problemas.

Caso não seja possível conhecer o local com antecedência e o locatário encontrar o imóvel em situação diferente do divulgado, deve-se realizar uma vistoria na presença de testemunha ou do locador. O contrato pode ser rescindido e o locador poderá receber uma multa.

Os contratos possuem algumas particularidades, como prazo para contratação, cujo tempo máximo do locatário deve ser de 90 dias. O prazo não poderá ser ultrapassado sob pena de a locação ficar prorrogada por prazo indeterminado. Isso ocorrendo, o locador somente poderá retomar o imóvel depois de decorridos 30 meses ou por infração contratual do locatário.

O locador poderá receber os aluguéis antecipadamente e exigir uma garantia, como um fiador. Entretanto, os demais direitos e obrigações das outras modalidades de locação também se aplicam para a temporada. Em casos de irregularidades no imóvel ou na prestação de serviço, pode ser ajuizada uma ação por meio de advogado especializado, se os envolvidos não chegarem a um acordo.

O aluguel de temporada possui o valor maior que o aluguel normal, já que o imóvel já está mobiliado e pronto para estadia. Contudo, não adianta o locador subir o valor excessivamente, com ajustes acima dos praticados pelo mercado. E, para evitar os preços abusivos, é preciso acompanhar os valores de mercado e os praticados na região para não ficar com o imóvel parado.

O locador também pode contar com auxílio de profissionais da área, como corretores especializados, para determinarem os valores de condições de aluguel e ter respaldo em relação aos direitos e deveres que compõem a Lei do Inquilinato. Quem for alugar e ficar atento, dificilmente, terá suas férias transformadas em pesadelo.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários