Quando se transforma o nada em tudo

Opinião / 05/10/2020 - 06h00

Leonard Jenny*

Sustentabilidade é uma palavra abstrata, agora onipresente, na prática pouco utilizada. Na visão do empresário, mobiliário sustentável é caracterizado em transformar uma matéria prima como madeira, ferro e vidro, que seriam descartados, em uma peça única com DNA próprio e marca ímpar do designer responsável pela sua criação. Encontro esses materiais em demolições de obras, fazendas e na própria natureza e dou um conceito aos produtos. 

Na fabricação das minhas peças de móveis sustentáveis é usado apenas matérias-primas naturais que foram obtidas e processadas sob condições ambientais e sociais responsáveis. Transformar uma matéria prima que seria jogada fora e que gera custos nesse processo, em um móvel de luxo, uma obra de arte, com uma visão diferenciada, é o nosso propósito. A madeira é o material mais utilizada pela Linda Casa Decor. A procura pelo material acontece diretamente na natureza e nas demolições, nas quais a Linda Casa Decor tem parceria com algumas empresas. As vendas dos produtos prontos representam de 10 a 15 % do faturamento da empresa. Esse capital é investido no capital de giro da empresa. O lixo vira luxo e mantém os projetos da empresa. A fabricação dos produtos da Linda Casa Decor acontece nos estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Bahia.

Um exemplo do último trabalho, que iniciou-se em janeiro de 2020, foi praticando uma corrida na Quinta da Boa Vista, onde residiu a família imperial brasileira entre 1822-1889. Um tronco de árvore caído em virtude das fortes chuvas na cidade do Rio de Janeiro chamou a atenção do empresário, pois a madeira tinha um formato estilizado de coração. “Na mesma hora senti esse tronco falando comigo para não deixa-lo caído ali. Voltei para casa e passei a noite pensando o que fazer. No outro dia não perdi tempo e fui buscá-lo e transformá-lo numa mesa de centro. Essa árvore caiu em um local que faz parte da História do Brasil. Provavelmente, com mais 500 anos, seria descartada, ali despercebida. Dei vida, longevidade, reciclando um tronco em uma peça insubstituível e cheia de identidade. O prazer nesse tipo de criação e saber que minha obra vai ser perpetuada por muitos anos, mesmo quando eu não estiver mais nele”, diz Leonard Jenny.

Obviamente, a ideia ecológica começa muito antes do que na fabricação e no tratamento de superfícies. A madeira proveniente de florestas sustentáveis e certificadas, exemplos que vivenciei na Suíça e na Europa protege a floresta tropical, evita cortes nítidos e reduz as rotas de transporte que produzem emissões. A reciclagem novamente prolonga a vida útil dos materiais, por exemplo, convertendo materiais antigos em novas fibras, e até permite mudanças na “indústria” quando simples garrafas PET se tornam ótimas cadeiras ou almofadas coloridas. E o design também desempenha um papel importante: se você escolher um mobiliário, atemporalmente, bonito, ele será mantido por mais tempo do que uma peça de tendência que você não poderá mais ver em algum momento. Desde que o processamento esteja correto. “Tornamos nossas peças tão sólidas que duram mais que a média e ficam bem, restauramos móveis antigos dando a eles modernidade e uma nova identidade.

Visão sobre a sustentabilidade na pandemia
De fato, havia o medo de que as empresas usassem seu dinheiro de maneira diferente em tempos de pandemia e considerassem a sustentabilidade como uma espécie de “problema de luxo”. Mas esse medo não foi confirmado. Conversei com muitos empreendedores que conheço mundo a fora e aqui no Brasil também. Eles não veem mais a sustentabilidade como um programa gratuito, mas como uma obrigação empreendedora que valha a pena. Um exemplo, a Siemens quer ser neutra em carbono até 2030 e investir 100 milhões de euros em medidas de economia de energia. Isso permite uma economia de 20 milhões de euros por ano fazendo com que o programa se torne sustentável em cinco anos. O vírus corona não altera nada nesses cálculos. A diferença no Brasil é que ainda estamos muito atrasados em termos de sustentabilidade. Crise de corona e sustentabilidade, para mim, vejo como coragem para o futuro. A pandemia do coronavírus, e a emergência climática também significam procurar soluções, disposição para mudar e moldar ambientes sustentáveis.

Investimentos sustentáveis são bem recebidos. A oferta está crescendo rapidamente, mas nem tudo.. É realmente sustentável apenas porque se intitula como tal. Nos Estados Unidos, tamanhos gigantes são mostrados em termos de ativos sob gerenciamento. De repente, todos os ativos se tornaram sustentáveis da noite para o dia.

Estamos aprendendo - ou ouvindo conscientemente pela primeira vez - que pandemias como Corona, SARS ou Ebola, que ameaçam a Humanidade, são consequencias crescentes da exploração dos recursos naturais. Estamos novamente cientes das vantagens e desvantagens da globalização: a dependência mútua, os efeitos da ação individual, local, regional, nacional e internacional / global para o mundo inteiro.

Otimista com o avanço do Brasil, Maristela Longhi, presidente da Abimóvel, vê o mercado moveleiro passando por um novo momento no país. “O Brasil tem ampliado sua competitividade nos principais mercados mundiais graças aos investimentos da indústria em design, tecnologia, sustentabilidade e desenvolvimento de produtos cada vez mais arrojados e inovadores”.

Hoje, 30% do que é produzido de móvel no mundo é fabricado para exportação. A região Sul é responsável por 86,5% das exportações brasileiras de móveis. Os Estados Unidos são o principal destino. O Reino Unido, Peru, Uruguai, Chile e Paraguai são os mercados que cresceram. Procuro melhorar minha expertise e know how nas viagens internacionais para apresentar minha marca, Linda Casa Decor. Como empreendedor suíço brasileiro nascido e formado em Zurique, acompanha as tendências europeias e suas possíveis aplicabilidade no Brasil balizada pela Neuro Arquitetura, ciência que, em breve, será o tema do momento para o setor moveleiro, design e inovação. Numa dessas viagens, participei do curso de Neurociência e Arquitetura na Alemanha a fim de mostrar como o ambiente influencia no comportamento. 

*Empresário e fundador da Linda Casa Decor
 

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários