Reflexos emocionais do isolamento social

22/04/2020 às 19:29.
Atualizado em 27/10/2021 às 03:20

Leonard Verea*
 

Após quase 30 dias de confinamento por conta da pandemia do coronavírus (Covid-19), você já parou para se perguntar sobre quais são os principais desafios emocionais enfrentados até aqui? Eu posso dizer que muitas pessoas acabam tornando o momento atual mais difícil por não conseguirem ter controle da situação e acabam aumentando o nível de tensão e ansiedade. Todo esse processo exacerbado de pensamentos faz um verdadeiro curto circuito mental, extrapolando o seu próprio limite de tolerância, que é construído entre cultura, experiência e vivência, ou seja, a maturidade que cada um constrói ao longo da vida.

Sabemos que existem pessoas que possuem mais jogo de cintura, mas para muitas outras esse momento é ainda mais desafiador. O período de confinamento gera medo, afinal, enfrentamos um inimigo invisível e as dúvidas que vêm junto com ele sobre o que ainda pode vir a acontecer. Esses pensamentos desestabilizam as emoções e fazem com que as pessoas desenvolvam sentimentos como insegurança e ansiedade.

Uma boa reflexão para mudar esses sentimentos pesados é absorver os ensinamentos para nos tornarmos seres humanos melhores. Entendo que sair da rotina habitual gera um impacto, mas uma ótima opção é se adequar ao que estamos vivendo hoje de uma forma mais leve.

Durante esse período de isolamento social, as pessoas conseguem desenvolver a percepção da própria fragilidade, que se manifesta passando por várias etapas sentimentais, como a tristeza e a saudade da antiga rotina. Porém, quando conseguimos administrar esses sentimentos, positivando as situações, conseguimos seguir com dias leves, pois sabemos que a quarentena vai acabar e tudo vai voltar ao normal.

Acredito que logo voltaremos a nossa rotina transformados, pois pude observar que durante este período de quarentena, as pessoas passaram por uma mudança importante e despertaram o sentimento de solidariedade, prova disso são as notícias que a mídia nos conta diariamente.

Para finalizar, gostaria de propor uma reflexão para que todos possam seguir em quarentena com uma percepção mais positiva da situação. Existem diferenças entre solitude e solidão. No estado de solitude, estamos em pleno contato com nós mesmos, nós desenvolvemos o autoconhecimento, nos encontramos. Já no estado de solidão, somos tomados por um vazio, um confronto de nossas ideias, o que pode nos levar a recorrer a artifícios como a compulsão. O ideal é nos observarmos e escolhermos qual delas queremos viver. Por mais que tenhamos medo, é necessário aprendermos a enfrentá-lo e é preciso enxergar que tudo traz um renascimento. Logo voltaremos a nossa rotina normal e podemos usar os aprendizados deste momento difícil para tornar a vida ainda mais positiva e criativa.

* Médico formado pela Faculdade de Medicina e Cirurgia de Milão, Itália. Especialista em psiquiatria, atua no Brasil desde 1985.

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por