Três presentes indispensáveis para os filhos

Opinião / 09/10/2020 - 06h00

Adriana Drulla*

Mais um Dia das Crianças se aproxima e, tradicionalmente, é comum pais e mães se esforçarem para encontrar brinquedos, roupas e lembrancinhas que alegrem seus filhos. Eu mesma tenho dois e me incluo nesse grupo. No entanto, quero falar de outros presentes mais importantes, que vão refletir na própria formação das crianças, são fáceis de encontrar e, o melhor, não custam nada. Veja quais são.

Crie vínculo
Estamos passando por momentos de muito estresse e ansiedade. Mas entre as coisas positivas que o isolamento social trouxe para as famílias é a possibilidade dos pais passarem mais tempo com seus filhos, em casa. E mais do que estar mais presente, é importante aproveitar esse tempo a mais para criar vínculos, criar conexão de modo que crianças e jovens se sintam verdadeiramente acolhidos e tenham seus sentimentos compreendidos por seus pais. O vínculo com os pais é um dos principais fatores que suportam a resiliência emocional da criança, que é a capacidade da criança de enfrentar desafios de forma construtiva. O primeiro passo para ganhar a confiança da criança é validando seus sentimentos, acolhendo o que ele está sentindo com empatia. Não basta dizer ‘Eu amo meu filho e ele sabe disso’. O vínculo se constrói quando as pessoas compartilham experiências positivas. Brincar junto, cozinhar junto, até mesmo dividir outras tarefas de casa são exemplos de momentos agradáveis de interação. 
 

Autocompaixão
Aos pais e mães, aceitar nossas imperfeições com naturalidade e abrir mão das expectativas irrealistas, é importante para a resiliência emocional dos nossos filhos. Na minha pesquisa, feita nos Estados Unidos com 246 pares de mães e filhos, descobri que mães autocompassivas têm filhos mais autocompassivos, e se sentem mais competentes no seu papel de mãe. A autocompaixão envolve a capacidade de fornecer suporte emocional a si mesmo, enfrentando desafios e adversidades com maior perspectiva e com a compreensão de que as dificuldades são comuns a todas as pessoas. A autocompaixão significa adotar uma postura gentil com relação a si mesmo, dando pra si o que você precisa em um momento difícil, seja um banho demorado, seja pedir ajuda para alguém porque você precisa relaxar. Quando os pais se cuidam e são mais gentis consigo, os filhos também se beneficiam. Eles aprendem a serem autocompassivos pelo exemplo, e tem um vínculo mais forte com pais e mães.

Quando nos cuidamos conseguimos nos conectar com a criança de uma forma mais profunda. Ao abrir mão da expectativa de nos tornarmos mães e pais perfeitos, conseguimos aceitar que nossos filhos também têm defeitos. A criança que se sente aceita por quem ela é, que não acha que precisa mudar para receber amor, desenvolve um autoconceito mais positivo e maior autocompaixão. As pesquisas mostram que as crianças que têm maior dificuldade para lidar com os próprios erros, e que enxergam as limitações pessoais como sinal de que há algo errado com elas, tendem a deprimir e desenvolver outros problemas emocionais com maior frequência. 

Escuta Compassiva
Para entender um filho é importante reservar um tempo para ouvir o que ele está sentindo. Uma escuta com aceitação e sem julgamentos faz com que o outro se expresse com sinceridade, sem preocupação com desaprovação. Uma escuta compassiva acontece do pescoço pra baixo. Isso significa que quem escuta não fala, apenas se disponibiliza a escutar o outro, ao mesmo tempo que presta atenção às próprias emoções, e como elas se expressam no corpo. Quem escuta demonstra entendimento e compreensão, nada mais. E muitas vezes é apenas isso que a pessoa precisa pra que ela se sinta melhor e possa então pensar sobre como melhorar ou lidar com a situação. Muitas vezes tudo que precisamos é de uma escuta compreensiva, uma conexão sincera, um abraço, e um ombro pra chorar. 

*Mestre em Psicologia Positiva, pela Universidade da Pennsylvania, é especialista em Compaixão e Autocompaixão. Estudou com Martin Seligman, psicólogo fundador da psicologia positiva, e outros pesquisadores referência neste campo nos Estados Unidos e no mundo. 

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários