Uso de tecnologia nos consultórios

Opinião / 06/12/2018 - 07h00

Enio Ribeiro Reis*

A tecnologia é uma importante aliada em qualquer área e também tem uma grande relevância na saúde, pois auxilia na rotina dos consultórios para proporcionar um melhor diagnóstico. O cotidiano médico já conta com softwares de gestão, automação de e-mails, home care, organizador de documentos e prontuário eletrônico. As inovações tecnológica e científica propiciam maior agilidade à prática diária. Mais de 120 doenças reumatológicas, por exemplo, são identificadas e com o auxilio da tecnologia é possível fechar uma avaliação com conhecimentos prévios.

A partir de um sistema informatizado é possível obter prontuários e arquivos organizados rapidamente com armazenamento seguro das informações. O acesso fácil ao conhecimento sobre o histórico também é outra vantagem. Os médicos estão absorvendo as novas tecnologias para maior qualidade de procedimentos e tratamentos. A tecnologia em consultórios é tão importante que será tema da “X Jornada Mineira de Reumatologia”, apresentando as novidades e tendências dos avanços tecnológicos e científicos para as doenças musculo-esqueléticas e reumatológicas.

Um estudo divulgado em 2018 pela AppAnnie, focada em análises mundiais sobre o mercado de aplicativos em dispositivos móveis, revelou que o Brasil é campeão mundial em uso diário de aplicativo no celular. Conforme o levantamento, o brasileiro usa em média 12 aplicativos ao longo do dia no smartphone. O uso médico vai muito além da facilidade de execução em tarefas específicas, sendo capaz de melhorar a rotina, ampliando a qualidade de atendimento, assim como níveis de satisfação. Um sistema digital é uma ferramenta essencial para melhorar os processo nos consultórios e clínicas ao otimizarem ainda mais os atendimentos.

O mercado apresenta programas e aplicativos como apps de calculadora médica com fácil acesso à fórmulas médicas complicadas, pontuações, escalas e classificações. Outros aplicativos executam rápidos scans de documentos e textos com o auxílio da câmera do smartphone, evitando os scanners, pois podem converter as imagens em documentos do word e-ou powerpoint, transformando em típicas figuras de scans em preto e branco. É possível também enviar para plataformas de armazenamento on-line diretamente do app.

Os aplicativos de interação medicamentosa, dosagem de medicamentos e seus efeitos colaterais já são rotineiros aos médicos recém-formados. Temos também pequenos aparelhos de interface que se adaptam aos smartphones, transformando-os em uma câmera digital termo sensível capaz de detectar diferentes temperaturas em uma articulação inflamada.

O ultrassom se tornou um instrumento, na extensão do exame físico, capaz detectar sinais inflamatórios e derrames articulares e ate mesmo guiar infiltração articular com muita precisão. Na China, por exemplo, os pesquisadores desenvolveram uma ferramenta de consulta on-line para pessoas com doenças reumáticas, fortalecendo a interação entre médicos e pacientes, propiciando um gerenciamento mais eficiente de doenças crônicas. O incremento do gerenciamento de cuidados entre as pessoas com algum tipo de doença e os estudiosos de várias instituições do país colaboraram para o desenvolvimento do Sistema Inteligente de Gerenciamento de Doenças (SSDM), uma série de aplicativos baseados em dados clínicos em um processo incluindo consulta on-line através de aplicativo. 

A medicina atravessa um período importante para a reumatologia. Há 20 anos, a reumatologia se tornou uma especialidade mais ativa por proporcionar um tratamento mais efetivo. Quem não se adaptar às novas tecnologias ficará a mercê delas. Os aplicativos são como guias de diagnósticos para mensurar e concluir diagnósticos.


(*)Presidente da Sociedade Mineira de Reumatologia

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários