Você sabe qual é a cor do respeito?

12/01/2022 às 19:52.
Atualizado em 18/01/2022 às 00:53

Mauro Condé*

“Se você treme de indignação perante uma injustiça no mundo, então somos companheiros!” Che

Acabo de voltar de uma viagem rumo ao conhecimento, usando como meio de transporte excelentes livros da história da literatura mundial.

Eles me levaram para o ano de 1983, na Geórgia, sul dos Estados Unidos, onde fui recebido por Alice Walker, a quem fui logo pedindo:

Ensina-me algo que eu ainda não saiba e tenha o poder de mudar a minha vida para melhor.

-Cultive ao máximo o respeito e a tolerância às diferenças como forma de mudar o mundo para melhor, afinal ser diferente não significa ser pior ou melhor do que ninguém, significa apenas que se é diferente.

Alice Walker escreveu “A Cor Púrpura” livro que ganhou o Prêmio Pulitzer de Literatura em 1983 e virou filme de sucesso pelas mãos de Steven Spielberg.

Seu roteiro despeja um mundo de emoções profundas bem à frente de nossos olhos ao contar a história de Celie, uma protagonista incrível que luta, durante toda a vida, contra o racismo, o machismo, a violência contra as mulheres e o preconceito contra pessoas pobres.

Vivendo numa região rural do sul dos Estados Unidos nos anos 30, Celie é vítima das piores barbaridades humanas.

Ainda criança, fica grávida e é violentamente separada dos filhos no dia do nascimento.

O pai ainda a obriga a se casar com o Sr. Albert, um fazendeiro igualmente bruto e torturador que a transforma em babá de seus filhos e em empregada doméstica, além de cometer contra ela todo tipo de abuso físico e psicológico.

Em constante depressão, tristeza e angústia, Celie desenvolve o hábito de escrever cartas para Deus e para a sua desaparecida irmã Nettie, como forma de sobrevivência.

Quando tudo parece perdido, Celie acolhe, a contra gosto, Shug, uma cantora de cabaré e amante do seu marido e descobre nela uma possível porta para a sua salvação.

A Cor Púrpura tem um lindo roteiro capaz de arrancar lágrimas e palmas no final, além de conter uma das mais belas fotografias do cinema, embalada por uma trilha sonora inesquecível.

Lendo sobre a psicologia das cores, deduzi que púrpura pode ser considerada a cor do respeito, símbolo da conexão da imaginação com a espiritualidade na busca por um mundo mais fraterno e irmão, onde as diferenças existam para somar.

*Palestrante, Consultor e Fundador do Blog do Maluco

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por