Portal de Compras Públicas alcança a marca de 2 mil municípios atendidos

Tempo de Inovação / 20/09/2021 - 06h00

O Portal de Compras Públicas, maior plataforma privada de pregão eletrônico do país, alcança uma marca histórica em sua jornada desde 2016, quando passou a atuar de forma independente no setor – chegou aos 2 mil municípios atendidos, o que representa 36% de todas as 5.570 prefeituras do país. Entre essas prefeituras estão as de capitais como São Paulo (SP), Porto Alegre (RS), Vitória (ES) e Palmas (TO). Para atender esse universo, o portal construiu uma base de 230 mil fornecedores cadastrados, de todas as regiões. 

Hoje, via plataforma, são licitados diariamente cerca de R$ 250 milhões em compras públicas, o que deve levar a empresa a dobrar o volume transacionado no ano passado, chegando aos R$ 60 bilhões em 2021. “É uma marca excepcional, são quase 40% dos municípios brasileiros comprando com a nossa plataforma”, comemora o CEO do portal, Leonardo Ladeira. “E conferindo a essa conquista o sabor de ‘joia da coroa’, a Prefeitura de São Paulo, que é a maior metrópole da América Latina, também passou a fazer aquisições com o Portal de Compras Públicas. Para darmos uma noção do que isso significa em volume de negócios, o Produto Interno Bruto (PIB) da Prefeitura de São Paulo equivale à soma de 4.305 municípios brasileiros juntos e sua população supera em 3 milhões toda a população de Portugal, por exemplo”.

Os números indicam que estão sendo gerados, em média, 8.500 oportunidades de negócios por dia, que chegam a mais de 180 mil todo mês, para os fornecedores que querem vender para os governos. As compras públicas representam uma fatia em torno de 12% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e movimentaram mais de R$ 900 bilhões em 2019, segundo o Ministério da Economia. “É um mercado que não pode ser desconsiderado por empresas de nenhum porte”, destaca Ladeira.

Por isso, o portal vem desenvolvendo desde 2020 parcerias regionais com o Sebrae, com o objetivo de incentivar pequenos empreendedores a participar desse enorme nicho de negócios e, na outra ponta, as prefeituras a comprarem dos pequenos empreendedores locais. “Os municípios também não podem deixar de aproveitar o potencial de seus pequenos negócios, viabilizando um novo incremento ao desenvolvimento da economia local e regional”, defende o CEO.

O Portal já tem parcerias em andamento nessa esfera no Pará, Paraná, São Paulo e, os resultados comprovam que as compras públicas também são um mercado para os pequenos negócios. “Atualmente, dois terços das licitações vencidas no portal são de micro e pequenas empresas, desmistificando a máxima de que somente grandes empresas conseguem vender para os governos”, revela o executivo. 

O Portal de Compras Públicas quintuplicou o número de prefeituras atendidas e também o de fornecedores nos últimos dois anos, em plena crise econômica gerada pela pandemia do coronavírus. Além do foco nos pequenos negócios, outros dois fatores foram fundamentais para esse desempenho.  O primeiro é que a plataforma opera de forma 100% digital. Como uma startup govtech especializada em desenvolver soluções tecnológicas para governos, o portal oferece ferramentas para que prefeituras e órgãos públicos façam suas aquisições inteiramente pela internet, conectando-os com fornecedores cadastrados de todo país.

Foi a solução ideal para manter a máquina pública municipal funcionando durante a pandemia, pois não requer nenhum contato físico entre as equipes das prefeituras, fornecedores e nem com o atendimento do Portal. A plataforma, inclusive, vem viabilizando em todo esse período milhares de aquisições municipais necessárias para o combate ao vírus e o atendimento às vítimas.

O segundo fator foi a entrada em vigor do novo Decreto do Pregão Eletrônico (10.024/2019), que tornou a modalidade obrigatória para todos os municípios que utilizam as verbas das transferências voluntárias da União. Elas são a principal fonte de recursos para mais de 90% dos municípios brasileiros. Como a maior parte deles (73%) têm entre 10 mil e 20 mil habitantes (IBGE/2020), as dificuldades de se adequar às exigências da nova lei eram enormes e o Portal encampou um trabalho intensivo de capacitação e treinamento, para preparar prefeituras de todo país a migrar para as plataformas digitais, passando a fazer suas aquisições via pregão eletrônico. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários