Aécio e Anastasia lideram pesquisa ao governo de Minas

Amália Goulart / 10/04/2017 - 20h23

Os senadores tucanos Aécio Neves e Antonio Anastasia lideram dois de três cenários estimulados pela Paraná Pesquisas para as eleições ao governo de Minas em 2018. 

Em um primeiro cenário, Anastasia tem 31,8% das intenções de voto. Já Fernando Pimentel (PT), governador que tentará a reeleição, aparece com 18,5%. O ex-prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB), tem 8,5% e é seguido pelo filho de José Alencar, Josué Alencar (PMDB), com 7,6%. O deputado federal Rodrigo Pacheco (PMDB), fecha a lista com 5,1%. O restante não pretende votar em ninguém ou ainda não sabe quem escolher. 

Em um segundo cenário, é trocado o candidato do PSDB. Mesmo citado em delações de executivos da Odebrecht, o senador Aécio Neves lidera o ranking com 34% das intenções de voto. Ele é seguido por Pimentel (17,6%), Lacerda (8,4%), Josué Alencar (7,2%) e Rodrigo Pacheco (5,6%). Os demais não pretendem votar ou não sabem quem escolher. 

No terceiro cenário, o tucano posto na disputa é Dinis Pinheiro. Sem grande expressão política, Pinheiro fica com a última posição (4,9%). Neste quadro, leva a melhor Pimentel (23,1%), seguido por Lacerda (11,7%), Josué Alencar (10,6%) e Pacheco (6,9%). 

Para analisar a pesquisa é preciso observar dois outros dados mostrados pela Paraná. O Instituto pergunta aos entrevistados se eles acreditam que as denúncias de corrupção contra Aécio e Pimentel são verdadeiras ou falsas e também mede a aprovação do governo petista. 

No caso das denúncias que pesam contra o senador tucano, 50,8% dos entrevistados acreditam que elas procedem e 32,4% creem que são acusações falsas. Outros 16,9% não sabem ou não opinaram. 

Para Pimentel, que responde por denúncias na operação Acrônimo, a situação é um pouco pior. Para 58,9% dos entrevistados as acusações são verdadeiras e 19,9% acreditam que elas são falsas. O restante não sabe ou não opinou. 

A administração do governador petista é aprovada por 43,5% dos entrevistados. 

Mostrados os números, vamos à análise. Anastasia é a melhor opção do PSDB, mas reluta em entrar na disputa. O dado que mais surpreende é a dianteira de Aécio Neves em um dos cenários. Mesmo com tantas acusações no âmbito da operação “Lava Jato”, Aécio consegue ter a preferência do eleitor. Porém, o quadro não é consolidado.

As acusações ainda não viraram denúncias por parte do procurador-geral da República. São trechos vazados de delações. Ou seja, elas terão papel influenciador em um processo eleitoral quando, e se, tornarem-se denúncias. O fato de 32,4% acreditar que são falsas as acusações contra ele e 16,9% não terem opinião formada é um prato cheio para a campanha difamatória, que sempre acontece no período eleitoral, principalmente nas redes sociais. 

Já a situação de Pimentel também não é tranquila. Mesmo com o que chamamos de “caneta na mão”, ele não consegue liderar cenários em que os dois tucanos, Aécio e Anastasia, são colocados como candidatos. Isto pode ser explicado pelo percentual de eleitores que acredita que procedem as acusações de corrupção contra o petista. 

Neste cenário, ganham destaque Marcio Lacerda e Rodrigo Pacheco, que possuem potencial para crescer, quando a disputa de fato começar. Se quiser ser candidato, Pacheco terá que deixar o PMDB, que pensa em colocar Adalclever Lopes na vice de Pimentel. A mesma situação vale para Josué Alencar.

A pesquisa Paraná ouviu 2.015 eleitores em 88 municípios entre os dias 31 de março e 5 de abril. A margem de erro é de 2,5%.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários