Próximo governador terá R$ 1,6 bi para pagar dívidas: processo já começou

Amália Goulart / 14/09/2018 - 06h00

A finalização da consultoria não deve ocorrer antes do primeiro turno das eleições. 

Pela proposta, o governo poderá vender ao mercado R$ 1,6 bilhão da dívida. Pagará futuramente com juros quem comprar. Do dinheiro arrecadado, 70% será para quitar débitos com os municípios. O restante ficará com o Tribunal de Justiça. 

Os recursos serão alívio momentâneo para o próximo governador. Quando o BDMG concluir a estruturação, o governo poderá lançar no mercado um edital para atrair interessados. 

A crise fiscal por que passa Minas Gerais é um dos principais pontos de debate na campanha pelo Palácio da Liberdade. E é o que coloca o governador Fernando Pimentel (PT) na segunda colocação, atrás do senador Antonio Anastasia (PSDB). 

Senado

A última pesquisa Ibope para o Senado mostrou que os dois candidatos da chapa do senador Antonio Anastasia (PSDB), Rodrigo Pacheco (DEM) e Dinis Pinheiro (Solidariedade), disputam o mesmo eleitorado, estando empatados com 7% na terceira colocação. 

Prestígio

O senador Aécio Neves (PSDB) não perdeu prestígio junto a lideranças aliadas em Minas. Em campanha para uma vaga na Câmara dos Deputados, tem sido recebido pelo interior em eventos promovidos por apoiadores. Eles criaram, inclusive, um grupo de WhatsApp para ajudar o tucano na empreitada. 

Na foto abaixo, Aécio em um desses eventos com o aliado Wander Luis Silva, ex-presidente da Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado de Minas Gerais (Federaminas). 

Foi ele quem idealizou e criou o grupo. “Apoio Aécio e mobilizo associações comerciais por todo o Estado. Ele foi o melhor governador que Minas já teve. Ligou o interior construindo estradas, desburocratizou o Estado e pagava o funcionalismo em dia, movimentando a economia local”, disse.

Aécio Neves
O senador Aécio Neves (PSDB) não perdeu prestígio junto a lideranças aliadas em Minas

 

 


 


 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários