O carro vai ficar parado uns tempos. Liga-se o motor de vez em quando?

Boris Feldman / 31/03/2015 - 08h33
ignição

O dono do carro viaja para o exterior com a esposa. O carro vai ficar parado na garage durante algumas semanas, ou dois meses. Mas ele toma o cuidado de pedir ao filho, ou ao vizinho, que ligue o motor uma vez por semana, ou a cada dez dias, para evitar problemas quando ele voltar. Recomenda que o motor funcione pelo menos durante uns cinco minutos. Está certo?

Não, está errado. Das duas, uma: ou o dono pede alguém para sair no carro pelo menos uma vez por mês, para dar uma volta pelas proximidades, rodando um mínimo de quinze a vinte minutos, ou é preferível deixá-lo quietinho na garagem, com a bateria desligada. Esta prática de apenas ligar o motor de vez em quando não evita problemas no futuro: pelo contrário, é caminho certo para criá-los. Pois só fazer o motor funcionar durante alguns minutos é mais prejudicial do que benéfico porque ele não atinge sua temperatura ideal de funcionamento. Isto significa que gases da combustão da gasolina (ou do etanol) vão para o cárter (parte inferior do motor, onde esta o óleo) e não serão queimados porque o óleo – por ainda estar frio – é incapaz de eliminá-los e ele acaba sendo contaminado. Além do mais, rodar com o carro em vez de simplesmente ligar o motor faz entrar em operação vários outros componentes e até os pneus são beneficiados e não ficam “grudados” no mesmo lugar o tempo todo. E o esforço maior sobre o motor faz a temperatura subir mais rapidamente. É por isto que se deve fazer o automóvel rodar pelo menos a cada vinte dias. Caso contrário, é preferível deixa-lo quietinho na garagem.

“Acelerada” – Outra recomendação em relação ao motor: algumas dicas são transmitidas de geração para geração, de pai para filho, tio para sobrinhos, dos mecânicos mais antigos para os mais jovens. Muitas delas valiam para automóveis de 40, 50 anos atrás, outras já não eram recomendadas nem no passado, mas continuam no ar. Uma delas é a história de se acelerar o automóvel antes de desligar o motor. Já não tinha nada a ver no passado, com exceção dos carros com motores de dois tempos, nos DKW, Vemaguetes... Está lembrado? Motores que nem existem mais, pois tinham óleo misturado na gasolina e uma verdadeira fonte de poluição. Na verdade, é extremamente prejudicial acelerar o motor antes de desligá-lo pois injeta-se uma quantidade de combustível para dentro do motor que não será queimada pois o motorista desligou a ignição. Esta mistura não queimada acaba escorrendo para o cárter e contamina o óleo lubrificante. Há quem diga que esta recomendação – no passado, quando ainda existiam carburadores - seria para facilitar o motor de pegar, horas depois, pelo resíduo de combustível que ficava na câmara de combustão. Se a dica já estava errada no passado, imagina nos dias de hoje com os modernos sistemas de injeção...
 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários