Croácia x Inglaterra: o inimigo do meu inimigo também pode ser meu inimigo

Direto da Rússia / 12/07/2018 - 20h05

Uma guerra vencida aos 109 minutos de jogo. Croácia e Inglaterra encheram o Luzhniki de aplausos após uma pegada semifinal da Copa do Mundo. O país dos Bálcãs é finalista do Mundial em plena Rússia. Mais do que um feito inédito, superando o terceiro lugar de 1998, Módric e cia. alcançam façanha rodeada de simbolismo, política, etnia e conflitos.

A Croácia, país separatista da Iugoslávia, tem relações históricas estremecidas com a Rússia, favorável ao movimento pan-eslavo no qual busca a união dos povos eslavos em um único país. A Sérvia, por exemplo, é quem lidera tal objetivo étnico.

Antes do duelo que envolvia os ingleses na capital Moscou, voltaram à lembrança as questões mal resolvidas entre britânicos e russos. Basta voltarmos a 2016, na Eurocopa da França, na qual hooligans dos dois países se enfrentaram dentro e fora do Estádio Vellodrome, em Marselha.

Havia promessas de "revival" da batalha sangrenta na Praça Vermelha. Entretanto, a fúria dos ultras locais foi controlada pelo dono do país, o presidente Vladimir Putin. Punições severas frearam os ânimos. Havia até mesmo notícias de que os violentos torcedores organizados da Rússia teriam o apoio dos "barras" argentinos, eternamente contrários à coroa da Rainha por conta das Ilhas Malvinas.

No que parecia um barril de pólvora no palco que receberá a final da Copa no próximo domingo, o Luzhniki foi enxurrado apenas com euforia pacífica, com as duas torcidas, posicionadas atrás de cada gol, cantando em massa. Do lado de fora do estádio, segurança controlada.

E não que as inimizades em comum com a Rússia tornassem croatas e ingleses amigos desde a infância. Inclusive, os ex-iugoslavos apoiavam a Escócia quando esta panejava abrir campanha de separação do Reino Unido de vossa majestade.

Nos 90 minutos, empate em 1 a 1 para Inglaterra e Croácia. Um gol de Mario Mandzukic aos 19 minutos de tempo extra levou a Croácia à final, adiando o tal sonho de "a Taça está voltando pra casa" dos inventores do futebol. Após o apito final, o sistema de som ainda tocou um "I Feel Good" de James Brown. Bem que poderia ser um "You can't always get what you want" de Mick Jagger, o astro pé frio dos Rolling Stones presente no jogo para apoiar o seu eliminado English Team.

A imagem do jogo: gol de Mandzukic criou avalanche contra fotógrafo de El Salvador

A imagem do jogo: gol de Mandzukic criou avalanche contra fotógrafo de El Salvador

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários