São Jorge onipresente na Rússia e o duelo Brasil x Bélgica em Kazan, a terra do dragão

Direto da Rússia / 06/07/2018 - 06h43

No mais importante feriado nacional, uma fitinha dele é distribuída para a população. A clara-boia que esconde um shopping center subterrâneo representa o globo terrestre com sua figura no topo. Até o escudo da Seleção Russa carrega reserva espaço ao santo guerreiro.

São Jorge, montado no cavalo, a aniquilar o dragão com uma lança é cena sagrada no Brasil e no país-sede da Copa do Mundo. Uma ligação religiosa entre as duas nações, de dogmas diferentes entre a Igreja Católica Romana e a Igreja Ortodoxa Russa.

Todo 9 de maio a Rússia paralisa diante das celebrações do Dia da Vitória. Desfiles militares em Moscou, a presença de todos os líderes políticos para comemorar o dia em que a Alemanha Nazista se rendeu na tentativa de dominar a região soviética. A Grande Guerra Patriótica (1941-1945) completou 60 anos em 2005. Então houve a invenção da "fita de São Jorge", nas cores marrom e dourada - as mesmas da "Ordem de São Jorge".

Dez anos depois, Moscou recebeu uma urna que supostamente conteria a mão direita do Santo Padroeiro da capital e do próprio país. Sua representação no Brasão de Armas da Rússia é na montagem de cavalo prata, matando o dragão numa lança dourada. A figura do mártir cristão se localiza ao centro de uma águia de duas cabeças.

Tal iconografia ficou esquecida durante o período da URSS, no afastamento do Estado com a religião. Só após a queda da União Soviética é que São Jorge pode ser cultuado livremente. O atual Governo russo mantém a forma laica - de modo a não caracterizar o cavaleiro no brasão como sendo Geórgios. Porém, Putin sempre usará a fita do padroeiro no runfar dos tambores para celebrar a virada da Segunda Guerra Mundial.

Se diante do santo da Capadócia o dragão é figura aniquilável, a besta alada se torna protagonista em Kazan, local onde a Seleção Brasileira enfrentará a Bélgica hoje, pelas quartas de final da Copa do Mundo.

Kazan, ou Cazã, se localiza na República do Tartaristão, que teria o papel de um Estado Federativo numa comparação brasileira. Pertencente à Federação Russa, o Tartaristão tem como símbolo o Zilant, figura mitológica que representa a mistura do dragão, com serpente e garras de aves de rapina.

A origem do Zilant é controversa, e uma das versões aponta justamente como a criatura assassinada por São Jorge. O certo é que ela está presente em outro escudo: o FC Rubin Kazan, principal clube de futebol da cidade, e herdeiro do trono da Arena Kazan, onde Neymar, Hazard e cia. pisarão logo mais.

São Jorge matando o dragão acima de uma clara-bóia no centro de Moscou
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários