Vila Viva gera dignidade e qualidade de vida em BH

Editorial / 02/12/2019 - 06h00

Políticas governamentais adequadas podem, sim, melhorar a qualidade de vida e a segurança de populações das comunidades cercadas pela violência. É exatamente isso que confirma estudo realizado pelo programa de doutorado da UFMG a respeito do projeto Vila Viva, desenvolvido em vilas e favelas de Belo Horizonte. Segundo reportagem desta edição, a pesquisa revela que, entre 2010 e 2012, houve queda de 25,9% na quantidade de homicídios antes registrada nas comunidades beneficiadas pelo Vila Viva. Ao mesmo tempo, em localidades nas quais o projeto não chegou, o índice aumentou 4,9%

Responsável pelo Vila Viva, a Companhia Urbanizadora de Belo Horizonte (Urbel) informa que, desde 2005, quando o trabalho começou a ser desenvolvido na prática, já foram entregues 6,5 mil unidades habitacionais a moradores de 12 comunidades. Ao todo, 170 mil pessoas receberam algum tipo de atendimento do programa. Até o fim do ano passado, foi investido R$ 1,33 bilhão nessas intervenções do Vila Viva, recursos esses, segundo a Urbel, liberados pelo governo federal.

Além da construção de unidades habitacionais, o Vila Viva promove interferências em moradias que delas necessitam. De acordo com a Urbel, mais de 45 mil casas receberam obras de drenagem e contenção de encostas. “Percebemos que é um programa muito potente de reconstrução e requalificação desses espaços. Em vez de apartar os moradores, propõe mudanças urbanísticas nos próprios lugares”, define a médica sanitarista Maria Angélica Salles, que continua se dedicando à pesquisa sobre o Vila Viva.

De acordo com a Urbel, não há confirmação sobre a continuidade do projeto, principalmente, porque o governo federal não sinaliza com a liberação de mais recursos. A prefeitura, no entanto, estaria buscando outras alternativas, para levar o Vila Viva a mais pessoas em BH.

Relatos de moradores beneficiados deixam claro o quanto essa deferência do poder público tem mudado as suas vidas para melhor. São pessoas que ganham em dignidade. São trabalhadores, cidadãos que pagam impostos e vêm o retorno disso vindo em forma de respeito e cidadania. O Vila Viva não transforma as vidas dessas pessoas em paraísos de perfeição, mas muda as perspectivas de futuro das inúmeras famílias atendidas.

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários