Tábua de salvação

Evaldo Magalhães / 13/02/2020 - 07h00

Muitas pessoas, ao sair de uma empresa com situações salariais e/ou indenizatórias pendentes, não pensam duas vezes antes de contratar um advogado e ir à Justiça do Trabalho. É mais do que legítimo, em qualquer setor de atuação, tentar, pela via de acordos amigáveis ou mesmo de litígios – levando os casos à barra dos tribunais –, fazer valer direitos que imaginamos ter. 

Também entra na lista de infrações passíveis de reparo financeiro uma série de outras irregularidades, cometidas pelos contratantes, como o assédio no ambiente de trabalho (moral e sexual) e os desvios de função a que o trabalhador possa ter sido submetido.

Incrível, contudo, é a quantidade e o alto valor das ações trabalhistas enfrentadas pelo combalido Cruzeiro, conforme reportagem publicada recentemente neste jornal. De 2009 a 2017 (ou por oito anos), o clube somava apenas 31 processos do tipo, movidos por ex-jogadores e ex-funcionários. Nos últimos dois anos, o total das pendengas disparou para 98, sendo que parte considerável é de agora, em 2020.

Vale lembrar que há muito dinheiro envolvido, algo que deve causar estragos ainda maiores que os já existentes. Só a ação movida por Fred seria de R$ 31 milhões (uma quantia que poderia ou não incluir a dívida com o clube de Vespasiano).

O processo movido por Thiago Neves, por sua vez, chega a R$ 16 milhões. Há ainda outros de menor monta, mas igualmente elevados, como o do jovem meia Ederson (R$ 2 mi). Sem contar as dezenas de cobranças, tenho certeza que justificáveis, em sua maioria, de outros ex-cruzeirenses e pessoas voluntariamente ou não envolvidas nos negócios questionáveis da nossa última gestão.

São números que nos fazem ver na Copa do Brasil, que o Cabuloso começa a disputar hoje, contra o São Raimundo (RR) – em busca de um sonhado heptacampeonato –, uma espécie de tábua de salvação. Ou uma tabuinha (ou “taubinha”, como dizem no interior), diante das enormes necessidades pelas quais passamos. Mas é algo em que podemos nos agarrar para respirar um pouco.

O torneio pagará ao campeão nada menos do que R$ 72,8 milhões, na somatória das premiações ao longo da competição. Segundo reportagem de hoje, só no caso de chegarmos às oitavas de final – etapa em que entramos na CB do ano passado –, seriam garantidos R$ 8,5 milhões aos nossos cofres, ou quase três folhas salariais. 

Na hipótese de sermos campeões, tem sempre aquela história: dinheiro faz dinheiro e um sucesso leva a outros – quem sabe um tri da Libertadores, no ano que vem? Mas tudo isso só será possível se tivermos nos livrado, de vez, dos malditos atravancadores do caminho.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários