História da Leffe conta muito sobre a trajetória da cerveja

Harmonizando as Brejas / 16/08/2015 - 07h41
História da Leffe conta muito sobre a trajetória da cerveja
Pureza. Autenticidade. Personalidade. E uma receita tradicional desde 1240. Essas são as melhores definições da belga Leffe, uma cerveja tipo abadia conhecida mundialmente por seu estilo e personalidade ímpar. Se você não a conhece, saiba que é muita qualidade e história dentro de uma garrafa. A Abadia de Notre Dame de Leffe foi fundada em 1152, mas só em 1240 é que surgiu a primeira cerveja (segundo os registros históricos).
 
Localizada em Namur, no sul da Bélgica, a Leffe era produzida por monges premonstratenses, sábios da cerveja, sendo que até hoje segue uma receita rígida e tradicional. Essa união entre cerveja e monges era muito comum naquele tempo na Europa. Isso porque a bebida servia para fornecer os nutrientes necessários, além de aquecer durante os rigorosos invernos.
 
Em sua história, a Abadia de Leffe passou por muitos obstáculos: enchentes, incêndios e até mesmo teve uma parte sua destruída devido às tropas da Revolução Francesa. Os monges abandonaram a abadia em 1794, parando completamente as atividades em 1902. Por sorte, a abadia se tornou patrimônio histórico, e em 1937 os monges voltaram para a Abadia e a produção voltou.
 
Mas devido ao conhecimento passado de geração a geração e dos ingredientes encontrados ao redor do mosteiro, a cerveja voltou a ser fabricada da mesma forma, e, assim, não perdendo o gosto único da Leffe. Em 1987, a Leffe foi comprada pela InBev, aumentando o alcance mundial dessa cerveja dos monges. Vou deixar aqui a dica de três dos seis rótulos produzido pela Leffe atualmente:
 
Blonde  – Carro-chefe da marca, é uma cerveja aromática com um toque de banana e um final com baunilha e cravo da índia, encorpada, forte e com teor alcoólico de 6.6%. Ideal para se tomar com uma carne de ave assada, como pato ou codorna.
 
Brune  – Também conhecida como Brown, ela é feita de malte torrado, o que valoriza as notas de café e chocolate eliminando as especiarias. O aroma é doce e frutado, lembrando caramelo. Harmoniza perfeitamente com queijos como minas, gouda, roquefort e gorgonzola.
 
Radieuse  – Cerveja extremamente forte, com caráter maltado e teor alcoólico de 8.2%. No gosto apresenta notas frutadas, lembrando maçã vermelha e banana madura. É a que mais se aproxima das cervejas de abadia. Acompanha muito bem com uma carne de cordeiro assada na brasa.  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários